SIGA O EM

Soltura

Edson Moreira: "soltura do goleiro Bruno prejudica localização do corpo de Eliza"

Para o deputado federal Edson Moreira, que foi o delegado que investigou a morte da modelo Eliza Samudio, a soltura do goleiro Bruno significará o desaparecimento de qualquer vestígio do corpo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1106578, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Renata Caldeira/TJMG', 'link': '', 'legenda': 'Hoje deputado, o delegado Edson Moreira quem presidiu o inqu\xe9rito sobre o sumi\xe7o de Eliza Samudio', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/02/24/850099/20170224132033792362a.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': ''}]

postado em 24/02/2017 12:24 / atualizado em 25/02/2017 16:02

Mateus Parreiras

Renata Caldeira/TJMG

O deputado federal Edson Moreira da Silva (PR) afirma que a soltura do goleiro Bruno Fernandes das Dores, de 32 anos, pode encerrar de vez a possibilidade de se encontrar o cadáver da modelo Eliza Samudio, dando a entender que providências para isso poderiam ser tomadas pelo condenado. "Se soltarem o Bruno é que esse cadáver nunca mais vai ser encontrado. Pode ter certeza disso, ele não vai deixar", afirma. O deputado foi o delegado que construiu o inquérito sobre o sequestro, morte e ocultação do cadáver da modelo.

 

                               Leia também: "na filha dos outros é refresco, né, Marco Aurélio?"

Moreira não se conforma com a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, que concedeu ao goleiro Bruno Fernandes das Dores o direito de aguardar o julgamento do habeas corpus contra sua prisão preventiva em liberdade. "Não faz sentido. Isso é uma decisão falha. O réu já foi condenado. Numa condenação em segunda instância já há o entendimento de que o réu deve ficar preso", afirma. O goleiro Bruno foi condenado como mandante do crime a 22 anos e três meses de prisão e cumpre a pena na Apac de Santa Luzia, na Grande BH.

Para o deputado Edson Moreira, o ministro do STF não considerou a gravidade dos crimes cometidos por Bruno. "Foi uma decisão falha e que não se fundamentou na gravidade dos acontecimentos. O ministro não sabe disso. Ele, inclusive, foi um dos que votaram a favor de um réu em segunda instância ser preso imediatamente. Agora toma uma decisão dessas. Isso é no mínimo uma contradição", considera o parlamentar.



Apesar de indignado com a soltura de Bruno, o deputado Edson Moreira diz ter certeza que cumpriu seu dever. "A investigação foi cumprida e alcançou a condenação. Fico pensando é na família da vítima que não teve sequer um cadvaer para enterrar. A mensagem que essa soltura passa é de que o crime compensa. Que se pode fazer de tudo: matar, estrupar, trucidar uma família pois não se ficará preso o suficiente. para mim o Bruno deveria cumprir todo o tempo de prisão que recebeu por ter cometido uma barbaridade daquelas", afirma.

O delegado diz só acreditar que Bruno será solto quando isso ocorrer e que mesmo que ocorra deverá ser por pouco tempo. "Só vou acreditar quando vir um absurdo desses. E espero que seja julgado logo o habeas corpus (pedido pela defesa do goleiro contra sua prisão preventiva) para que um novo mandado de prisão seja expedido".

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600