SIGA O EM

Justiça autoriza quebra de sigilo bancário do goleiro Bruno

O pedido de quebra das movimentações bancárias foi feito pelo promotor Henry Vasconcelos de Castro e deferido pela juíza Marixa Fabiane Rodrigues

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[]
A juíza Marixa Fabiane Rodrigues, de Contagem, autorizou a quebra de sigilo bancário do goleiro Bruno Fernandes, acusado do desaparecimento e morte de Eliza Samudio. O pedido foi feito pelo promotor Henry Vasconcelos de Castro e deferido pela magistrada. O representante do Ministério Público quer avaliar se as movimentações bancárias do ex-atleta têm alguma relação com o crime. Outra decisão sobre o Caso Bruno está prestes a ser tomada.

Na quarta-feira à 13h30 ocorrerá o julgamento do pedido de anulação do julgamento de dois envolvidos no crime, condenados em novembro pelo júri no Fórum de Contagem, na Grande BH. Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, pegou 12 anos de prisão em regime fechado, por homicídio triplamente qualificado, e mais três, em regime aberto, por sequestro e cárcere privado. Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do goleiro Bruno Fernandes, foi condenada por sequestro e cárcere privado de Eliza e do bebê a cinco anos de prisão, em regime aberto. Participam da sessão de amanhã os desembargadores Doorgal Andrada (relator), Herbert Carneiro e Delmival de Almeida Campos.

Henry Vasconcelos de Castro está se preparando para o julgamento que ocorrerá no dia 4 de março. O goleiro, a ex-mulher do atleta, Dayane Rodrigues, e o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos vão enfrentar o banco dos réus. Em novembro, numa manobra para adiar o julgamento, o ex-jogador destituiu seus defensores no segundo dia do júri. Como Dayanne era representada pelo mesmo defensor, Bruno alegou que ela poderia ser prejudicada. O processo dela foi, então, desmembrado, atendendo pedido feito pelo promotor.
Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
ciro
ciro - 15 de Janeiro às 21:00
Esse Bruno, incompetente, que só se envolvia com prostitutas (pagando é fácil), tem que "morrer" na grana pagando, agora esses tanto de picaretas espertalhões ( "aDEvogados", ...").
 
Ladislau
Ladislau - 15 de Janeiro às 19:01
Se é para balizar as ações e pesquisas da justiça, PORQUE QUE NÃO FOI FEITO HA MAIS TEMPO? Francamente...
 
Fabio
Fabio - 15 de Janeiro às 19:00
Carlos acho que o Sr não é mais inteligente que a maioria... nesta altura do compeonato, o dindim dele já deve estar no fim...
 
Carlos
Carlos - 15 de Janeiro às 14:28
Não sei se é porque sou mais inteligente que a maioria, mas desconfio que quase todos envolvidos no caso Bruno só pensam naquilo (R$). Agora querem saber quanto ele tem nos bancos. Ao acabar o dinheiro ele vai ser solto. Mas enquanto tiver algum, vão saqueando o cara, que é Zé Mané. Ladrões...