SIGA O EM

Atentados sofridos por ex-motorista do goleiro Bruno não tem a ver com sumiço de Eliza

Cleiton da Silva Gonçalves, assumiu que foi o mandante de um assassinato, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte e afirmou que é por causa deste crime que vem sofrendo atentados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 461509, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'TV Alterosa/Reprodu\xe7\xe3o', 'link': '', 'legenda': 'Ex-motorista de Bruno prestou depoimento por mais de tr\xeas horas em Belo Horizonte', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2012/08/28/314383/20120828180221205125e.jpg', 'alinhamento': 'center', 'descricao': None}]

postado em 28/08/2012 17:56 / atualizado em 28/08/2012 18:13

João Henrique do Vale , Andréa Silva / Aqui

TV Alterosa/Reprodução
 

O ex-motorista do goleiro Bruno Fernandes, Cleiton da Silva Gonçalves, assumiu que foi o mandante do assassinato de Elvis Silva Camargo, morto com seis tiros, em março deste ano, dentro de uma churrascaria às margens da BR-040, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Gonçalves afirmou que esse crime, e não a morte de Eliza Samúdio, está relacionado aos atentados.

Cleiton chegou no Departamento de Investigações (DI), no Bairro Lagoinha, Região Nordeste de BH, às 10h. Ele prestou depoimento por três horas acompanhado de uma advogada. O ex-motorista de Bruno afirmou ao delegado Wagner Pinto, que conhece a pessoa que está tentando matá-lo. Segundo ele, o suspeito seria um adolescente que está cometendo os atentados a mando de dois antigos comparsas de Clayton, que estão presos pelo assassinato de um homem dentro de um restaurante às margens da BR-040.

O crime aconteceu em março deste ano. Na ocasião, um grupo de quatro homens entrou no local e executou Elvis com seis tiros. O homicídio foi registrado por câmeras de segurança. Cleiton chegou a ser preso suspeito de ser o mandante do crime, mas acabou solto em 12 de maio, após conseguir um alvará de soltura na Justiça.

O ex-motorista de Bruno foi indiciado como mandante do crime pela polícia. Porém, a Justiça não entendeu que ele teria participação do homicídio. Os dois comparsas, que estão presos, ficaram revoltados com a decisão e por isso mandaram matar Cleiton.

As duas tentativas de homicídio contra Gonçalves aconteceram em menos de três dias. A primeira delas aconteceu na noite de domingo no Bairro Conjunto Liberdade. De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar (PM), dois homens chegaram em um bar na Rua 12, número 102, por volta das 20h. Armados, os dois desceram e atiraram contra clientes do estabelecimento que assistiam ao jogo entre Atlético e Cruzeiro. Um adolescente de 13 anos levou um tiro na perna esquerda. Ele foi socorrido para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) Ressaca, onde foi atendido e liberado. A esposa de Cleiton, que não quis se identificar, afirmou que ele chegou a ser baleado de raspão.

No fim da tarde de segunda-feira, Cleiton afirma que estava com a namorada dentro de um carro, também na região do primeiro atentado, quando foi alvo de tiros. O veículo em que estavam teve o vidro quebrado.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600