Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Quitandas

Biscoito tareco

Receita fornecida por Lúcia Alves e Nília Alves Dias, de Sete Lagoas: (31) 9643-4998


postado em 07/04/2017 08:00

(foto: Marcos Michelin/EM)
(foto: Marcos Michelin/EM)

Ingredientes:

- 1 kg de fécula de batata

- 1 kg de farinha de trigo com fermento

- 900 g de açúcar refinado

- 500 g de manteiga

- 200 ml de leite de coco

- 100 g de coco ralado

- 7 ovos

Cultivo:

- Há 27 anos, o projeto Hortas Urbanas Comunitárias é fonte de renda para centenas de famílias de Sete Lagoas. Nas sete hortas do município, em áreas da prefeitura ou de servidão da Cemig, é proibido o uso de agrotóxicos e as hortaliças são vendidas sempre frescas. A venda ocorre nas ruas, diretamente nas hortas ou em feiras da cidade.

Modo de Preparo:

Misturar a farinha, a fécula, a manteiga e o açúcar. Pôr o leite de coco e o coco ralado. Misturar. Pôr, um a um, os ovos e amassar até que a massa dê ponto de enrolar com as mãos. Fazer cordões de aproximadamente 3 cm de largura e 1 cm de espessura e cortar em pedaços no tamanho desejado. Pôr em um tabuleiro untado com óleo e assar em forno pré-aquecido, na temperatura máxima, por cerca de 15 minutos.



Nomes saborosos

(foto: Marcos Michelin/EM)
(foto: Marcos Michelin/EM)

Por aqui já passaram o beiçudo, o chimango, o espremido, o voador, o ferradura, o caramujo e muitos outros ilustres. Agora, para se juntar a essa galeria, apresentamos, diretamente de Sete Lagoas, o tareco. Ainda não entendeu o assunto em questão? Os nomes, uns engraçados, outros curiosos, são nada mais nada menos que tradicionais biscoitos preparados nas cozinhas de Minas. A origem da maioria das denominações ninguém sabe explicar de onde veio, mas isso nem é necessário.

Ao levar uma dessas quitandas à boca, pouco importa como é chamada, o que vale mesmo é o sabor. No caso do tareco, as irmãs Lúcia e Nília Alves só sabem dizer que aprenderam a receita com uma quitandeira de Jequitibá, cidade próxima a Sete Lagoas. "A gente vai aprendendo. Vem um à nossa casa e já passa uma receita, depois vamos à casa de outro e aprendemos outra coisa. É assim", resume Lúcia. As irmãs produzem e vendem seis variedades de biscoitos e, mesmo com o cansaço de bater perna com as cestas cheias, não reclamam.

"Dá trabalho, mas vale a pena porque a gente acaba conhecendo muita gente", diz Nília. A produção é feita na fazenda onde moram, que fica a nove quilômetros do Centro de Sete Lagoas. Duas vezes por semana, 20 quilos de biscoitos saem do forno a lenha. De lá, seguem rumo à freguesia, que já aguarda com o nome de cada um na ponta da língua.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade