UAI
Publicidade

Estado de Minas JUSTIÇA

Alexandre de Moraes determina abertura de novo inquérito contra Bolsonaro

Nova investigação vai apurar declarações do presidente na live da qual apontou ligação da vacinação contra a COVID-19 e infecção pela Aids, o que não é verdade


03/12/2021 19:20 - atualizado 03/12/2021 19:54

Bolsonaro no Planalto
Bolsonaro propagou fake news em live de outubro (foto: Evaristo Sá/AFP)
 
O presidente Jair Bolsonaro está mais uma vez na mira da Justiça. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, determinou nesta sexta-feira (3/12) a abertura de inquérito contra o chefe do Executivo nacional por ele divulgado supostas notícias falsas que relacionavam a vacina contra o coronavírus com o risco de desenvolver aids. 
 
"Não há dúvidas de que as condutas noticiadas do Presidente da República, no sentido de propagação de notícias fraudulentas acerca da vacinação contra A COVID-19 utilizam-se do modus operandi de esquemas de divulgação em massa nas redes sociais, revelando-se imprescindível a adoção de medidas que elucidem os fatos investigados, especialmente diante da existência de uma organização criminosa – identificada no Inquérito 4.781/DF (que justificou a distribuição por prevenção desta Pet) e no Inquérito 4.874/DF", diz trecho da decisão de Moraes.

O ministro do STF atende à uma solicitação da CPI da COVID no Senado, que investigou ações e eventuais omissões do governo federal no enfrentamento à pandemia. 
 
“Trata-se de manifestação do Presidente da CPI da Pandemia no Senado Federal, por meio da qual requer a instauração de inquérito policial para apuração dos crimes apontados no relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito e a aplicação de medidas cautelares de natureza penal em relação ao Presidente da República Jair Bolsonaro”, destaca o comunicado.

A notícia falsa foi divulgada pelo presidente na live semanal de de 22 de outubro. Posteriormente, o conteúdo foi apagado das plataformas digitais.
 
Na transmissão, Bolsonaro discursou sobre duas notícias dos sites Stylo Urbano e Coletividade Evolutiva, que, baseado em um relatório do Reino Unido, afirmavam que pessoas com a imunização completa contra a COVID-19 se tornavam mais vulneráveis à síndrome da imunodeficiência adquirida (Aids).

Ele se negou a ler a íntegra da notícia, já que havia receio de sofrer sanções das redes sociais. "Posso ter problemas com a minha live. Não quero que 'caia' a live. Quero dar informações concretas". 

 
Manifestação 

 
Bolsonaro enviou manifestação ao STF afirmando que a CPI da COVID estaria usurpando atribuições do Ministério Público. A Procuradoria-Geral da República (PGR) também se manifestou, dando o mesmo parecer. Alexandre de Moraes, por outro lado, destacou que a CPI pode sim pedir a abertura de inquérito. O Ministério Público, do qual a PGR faz parte, tem exclusividade para conduzir a ação penal. 
 

Demais inquéritos 

 

Bolsonaro já é alvo de outros inquéritos no STF e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além de ter feito ataques, sem provas, ao sistema de voto eletrônico e à legitimidade das eleições, o presidente é investigado por eventual interferência e vazamento de dados de inquéritos sigilosos da Polícia Federal e a suposta prevaricação sobre irregularidades na negociação e compra da vacina indiana Covaxin. 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade