Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Nova líder do PSL na Câmara, Joice tira bolsonaristas da CPMI das Fake News

Deputada corre o risco de perder a liderança do partido na Câmara


postado em 12/12/2019 14:08 / atualizado em 12/12/2019 17:22

Joice afirmou que Bolsonaro quis saber se a colega trabalhou como prostituta na Espanha(foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Joice afirmou que Bolsonaro quis saber se a colega trabalhou como prostituta na Espanha (foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
A nova líder do PSL na Câmara, deputada Joice Hasselmann (SP), derrubou a "trincheira" do presidente da República, Jair Bolsonaro, da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Congresso que investiga as chamadas fake news. Em ofício encaminhado na quarta-feira, 11, ao colegiado, Joice retirou quatro deputados bolsonaristas da comissão: Filipe Barros (PR), Caroline de Toni (SC), Carla Zambelli (SP) e Carlos Jordy (RJ).

Justamente esses quatro rivalizaram com Joice quando a deputada prestou depoimento na CPMI, no último dia 4.

Houve episódios de bate-boca, acusações sobre atividades fora da vida parlamentar, xingamentos e exposição de conversas privadas. Com Carla Zambelli, Joice afirmou que o presidente da República quis saber se a colega trabalhou como prostituta na Espanha.

Para o lugar do quarteto, que desde a instalação da CPMI, em setembro, defende fortemente o presidente Jair Bolsonaro na comissão e rivaliza com a oposição e desafetos do Planalto, a líder do PSL colocou quatro deputados próximos a ela: Delegado Waldir (GO), Nereu Crispim (RS), Professora Dayane Pimentel (BA) e Julian Lemos (PB).

Os quatro novos membros da comissão são próximos ao presidente nacional do PSL, Luciano Bivar (SP), que rompeu com Bolsonaro.

A deputada corre o risco de perder a liderança do partido na Câmara. Uma liminar da 4ª Vara Civil de Brasília derrubou a decisão do diretório nacional do PSL que suspendeu o deputado Eduardo Bolsonaro, líder da legenda antes de Joice, e outros 13 parlamentares das atividades político-partidárias. A decisão pode devolver ao grupo ligado ao presidente Jair Bolsonaro a liderança da legenda na Câmara.

Mesmo que perca a liderança, as indicações de Joice para a comissão continuam válidas. Nesse caso, um novo líder poderia reverter as mudanças.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), garantiu à CPMI o funcionamento até abril de 2020. A comissão foi anunciada como um "calcanhar de Aquiles" para Bolsonaro e cogita chamar integrantes do chamado "gabinete do ódio" e até o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente da República, para prestar depoimento.

Parlamentares que não são membros da comissão até podem falar nas reuniões, desde que autorizados pelo presidente da CPMI, mas ficam atrás na fila em relação aos titulares e suplentes do colegiado.


Publicidade