Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

Ministério de Bolsonaro deverá ter aliados recentes


postado em 28/10/2018 20:23

A lista com os 50 nomes da equipe de transição estava quase fechada quando Jair Bolsonaro determinou novo toque de recolher na campanha e avocou para si a tarefa de escolher cada um dos aliados que farão parte de seu primeiro time de governo. A decisão pegou alguns do grupo de surpresa, mas foi vista apenas como recuo estratégico. No entorno de Bolsonaro, há poucas dúvidas sobre o time que, ao lado presidente eleito, emergirá ao poder.

O núcleo duro do candidato do PSL é composto por aliados de longa data e outros conquistados mais recentemente, já no curso das tratativas rumo à disputa eleitoral. Diferentemente de outros candidatos, Bolsonaro tem um núcleo político robusto dentro de casa.

Levados à política pelo pai, o senador eleito Flávio, o vereador Carlos e o deputado federal Eduardo - os três primeiros dos cinco filhos de Bolsonaro - contam com a confiança do presidenciável e compõem seu grupo mais próximo.

Fora do círculo familiar, quatro personagens detém atualmente inegável influência no entorno do militar. O advogado Gustavo Bebianno, presidente interino do PSL, conheceu Bolsonaro apenas em 2017 após inúmeras tentativas de aproximação, mas hoje é peça central nas articulações políticas do grupo bolsonarista. É cotado para compor o ministério do governo e tem atuado nos bastidores sondando nomes para compor a nova administração.

Até pouco tempo neófito no mundo político, o economista Paulo Guedes foi apresentado a Bolsonaro em novembro do ano passado e uniu-se ao grupo oficialmente neste ano. Tornou-se fiador de seu projeto liberal e muleta de primeira quando o assunto na campanha se voltou para a economia - passou a ser chamado jocosamente pelo próprio candidato de "Posto Ipiranga".

Sondagens. Guedes, indicado por Bolsonaro como seu futuro ministro da Economia, coordena um grupo grande de técnicos, entre economistas, advogados e outros especialistas, que trabalham no plano de governo. Ele tem feito sondagens para cargos no futuro governo entre executivos de bancos e gestoras e integrantes da equipe de Michel Temer.

Também apontados como ministros de seu governo, outros dois nomes completam o primeiro time de aliados: o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que assumirá a Casa Civil, e o general da reserva Augusto Heleno, convidado para assumir a Defesa. Com Heleno, a relação remonta à década de 1970, quando se conheceram na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN).

A proximidade, no entanto, veio após o impeachment de Dilma Rousseff. Procurado pelo próprio Bolsonaro para ajudar com a campanha, Heleno montou uma equipe ampla para discutir propostas de governo. Lorenzoni, cuja amizade com Bolsonaro veio dos tempos de Congresso, é entusiasta e apoiador de sua candidatura desde o início. Trabalhou em costuras locais pró-Bolsonaro nas eleições e está encarregado das conversas com outros deputados para angariar apoio e montar a base parlamentar do governo.

Da caserna. O núcleo militar, no qual Heleno exerce liderança, é composto ainda pelos generais Oswaldo Ferreira, outro nome cotado para ocupar um ministério de Bolsonaro, e Aléssio Souto Ribeiro, que trabalha no grupo de governo que elabora propostas paras as áreas de educação e ciência e tecnologia.

O time da caserna foi ganhando força ao longo da campanha e a expectativa é de que ocupe espaço relevante em Brasília - fala-se até em um militar na presidência da Petrobrás.

O núcleo político, que tem Lorenzoni em papel de destaque, é composto ainda por nomes que se tornaram pontes importantes de Bolsonaro com grupos do Congresso. O senador eleito Major Olímpio, filiou-se ao PSL neste ano no encalço do capitão, tornou-se presidente do partido em São Paulo e compõe a chamada "bancada da bala". O senador Magno Malta (PP-ES), ex-pastor que não conseguiu se reeleger, tem trânsito entre lideranças evangélicas.

No grupo de conselheiros empresariais, Paulo Marinho foi ganhando relevância durante o avanço da campanha. Entusiasta inicialmente da candidatura de João Doria (PSDB) ao Palácio do Planalto, foi se aproximando do grupo bolsonarista com a ajuda de Bebianno, de quem é amigo.

Marinho tornou-se primeiro suplente de Flávio Bolsonaro, eleito senador pelo Rio, e transformou sua casa nos últimos meses em base da campanha do capitão da reserva - é na residência do empresário onde Bolsonaro grava vídeos para o horário eleitoral, por exemplo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade