Publicidade

Estado de Minas ELEIÇÕES 2018

Pimentel participa de ato de campanha em BH junto à militância do PT

Governador, candidato à reeleição, chamou atenção para a possibilidade de um novo golpe político no Brasil. Estiveram presentes simpatizantes do partido, coordenadores de campanha, além da aspirante a vice-governadora, Jô Moraes


postado em 09/09/2018 14:53 / atualizado em 09/09/2018 16:02

(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press )
(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press )

O governador de Minas Gerais e candidato à reeleição Fernando Pimentel (PT) compareceu, na manhã deste domingo, à plenária regional do partido, que foi realizada no comitê de campanha, em Belo Horizonte. Além da aspirante a vice-governadora, Jô Moraes (PCdoB), estiveram presentes militantes do Partido dos Trabalhadores, representantes dos 17 territórios de desenvolvimento estaduais, além de coordenadores dos fóruns regionais mineiros. Na pauta, muito mais que as ações para promover a candidatura da chapa, que inclui Dilma Roussef (PT) com pretensão ao Senado e Fernando Haddad (PT), lançado à Presidência da República. Foram discutidos temas como a trajetória do governo até aqui, as pretensões políticas a nível nacional, propostas de trabalho com uma possível vitória nas urnas, o impeachment de Dilma Roussef, pedido de liberdade para Luiz Inácio Lula da Silva, e o receio, em caso de êxito dos petistas em Minas e no Brasil, acerca de um novo golpe da direita que, para Pimentel, dá sinais até de querer retornar aos tempos da Ditadura Militar.

"Companheiros de muito tempo sabem de nossa jornada de luta e resistência. Essa disputa eleitoral talvez seja a mais importante dos últimos anos, desde a redemocratização do país. A democracia no Brasil nunca esteve tão ameaçada e, agora, explicitamente. Eles têm interesse no retrocesso. Cassaram o registro de Lula, mas vamos vencer com Fernando Haddad, que vai reverter o estrago que os tucanos fizeram. No entanto, devemos estar alertas. Precisamos criar bases de resistência. Não está afastada a possibilidade de ganharmos e o golpistas tentarem nos impedir de governar, como fizeram com a Dilma no segundo mandato", disse Pimentel.

E, para ele, não se trata de intencionar derrotar uma candidatura ou outra. Na sua opinião, o perigo da ameaça de seus adversários nas eleições é propriamente acabar com o campo democrático, principalmente afetando os feitos do PT no âmbito social. "Michel Temer já cortou o Bolsa Família pela metade e tem a cara de pau de dizer que vai preservar o social. Ele vai é passar o trator", alfineta, reconhecendo a insatisfação de algumas camadas da população com sua gestão. "Tem muita gente insatisfeito com alguns aspectos do governo. É natural. Não somos perfeitos, erramos e acertamos. Mas agora é hora de ganhar a eleição", ponderou.

(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press )
(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press )

O governador reconhece que a direita política no Brasil, a que ele chama golpista, tem o suporte da mídia e boa parte do legislativo, e lembra que o PT, por outro lado, tem o povo inteiro como esteio. Ele ressalta que, durante o período de comando em Minas Gerais, introduziu mudanças, ouviu a população, ingressou pelo interior em um processo de redescoberta do estado que, em seus termos, estava abandonado, com atitudes, entre outras, de sanar as contas públicas. "Os brasileiros já escolheram o seu lado. O nosso, de Lula, Dilma, Jô, nossos candidatos a deputado federal e estadual, nossa coligação, os partidos populares. O lado de lá é o da elite, da selvageria, da crueldade, dos cortes de orçamento, da perseguição política, o lado que quer voltar com a ditadura", compara.

"Vamos derrotá-los com o objetivo de fazer o Brasil avançar, continuar na trilha da democracia, da igualdade social, da justiça, da paz, com garra, empenho e compromisso. É para tirar o Lula da prisão, acabar com sua condenação injusta e arbitrária. Vamos à luta", convocou Pimentel, empunhando palavra de ordem, junto às manifestações acaloradas dos participantes do evento: "Lula livre!"

(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press )
(foto: Jair Amaral/EM/D.A Press )

Jô Moraes chamou atenção para o episódio do atentado ao presidenciável Jair Bolsonaro, que foi esfaqueado em ato de campanha em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, na semana passada. Para ela, o crime cria um clima novo e diferente no país, instaurando uma atmosfera de instabilidade, em um tipo de acontecimento que ela denominou como uma liberação de lobos solitários. "Já discutimos o tema quando aprovamos uma regulamentação para a lei do terrorismo. A cultura do ódio dá voz a essas pessoas, que muitas vezes não têm convicções políticas, mas assumem uma atitude de ação concreta de protagonismo solitário. É necessário estar atento. Fatos assim exigem que a mídia, com sua responsabilidade, combata a cultura do ódio e alimente a cultura da paz", ressaltou.

A candidata a vice-governadora apontou ainda a questão de os eleitores assumirem uma postura de medo ao tomar decisões políticas que não agradam as pessoas que estão mais perto, muitas vezes sendo alvo de hostilidades. Ela conta que, em ocasiões em que fez panfletagem com referências a Lula, por exemplo, encontrou apoiadores, porém com receio de assumir tal posição. "É muito importante desarmar as pessoas para que possam assumir seus ideais, mesmo que eventualmente naquele ambiente sua opinião não seja majoritária", opinou. Jô Moraes ponderou ainda sobre a indecisão de muitos eleitores, que acabam pedindo indicação de votos. "Em relação a Lula, me perguntam se vai ser candidato ou não. Digo: pela legislação, não será, mas certamente estará no governo Haddad como orientador".

Os militantes e coordenadores presentes na sessão no comitê não tiveram pudor em afirmar como o processo pré-eleitoral desse ano em Minas Gerais está sendo realizado com dificuldades financeiras e, para isso, convidam os simpatizantes à participação, como agentes agregadores, para divulgação em redes sociais, no boca a boca, nas ruas, no diálogo com as pessoas próximas, tanto na capital quanto no interior. Com limitações até para ter volume em material impresso de campanha, a estratégia em 2018 tem mudanças em relação ao que já foi em um passado próximo. Estão acontecendo diversas mobilizações, junto a integrantes da sociedade civil, atores da saúde, da educação, dos direitos humanos, e até entre a população de rua e comunidades quilombolas, dividindo as ações em reuniões e fóruns pelos 17 territórios de desenvolvimento setorizados no estado.

"Antes do alinhamento organizativo, vem o alinhamento de espírito. Todos estamos imbuídos do mesmo sentimento sobre o que significa essa eleição. Não é só mais uma. No Brasil, é a chance de estancar a sangria aberta com o golpe. O primeiro passo é demarcar de que lado está cada um. Antes de convencer ou fazer a população ouvir o que nós fizemos, é abrir a consciência do povo sobre o que está em jogo", afirmou o representante do PCdoB na coordenação da campanha de Fernando Pimentel, Diogo Santos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade