Publicidade

Estado de Minas

Diretor da PF vai aos EUA para compartilhar informações sobre combate a fake news

Fernando Segovia fica até o domingo e deve ter encontros em pelo menos três cidades norte-americanas


postado em 30/01/2018 16:48 / atualizado em 30/01/2018 17:26

(foto: Jose Cruz/Agencia Brasil)
(foto: Jose Cruz/Agencia Brasil)

O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, embarca na noite desta terça-feira, 30, para os Estados Unidos onde vai se reunir com autoridades americanas para, entre outras coisas, aprofundar o intercâmbio de informações sobre o combate a fake news.

Segovia fica até o domingo e deve ter encontros em Miami, Washington e cidades com sedes de agências americanas.

Ele pretender voltar ao Brasil com informações sobre como as autoridades americanas atuaram no combate a fake news nas eleições de 2016. As informações compartilhadas servirão para a criação da estratégia e da metodologia brasileira de combate à disseminação de notícias falsas.

Os EUA foram os primeiros a investigar as influências, supostamente da Rússia, na disputa presidencial de 2016. No Brasil, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF) e próximo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), criou um grupo de trabalho para debater o tema.

Como a PF participa desse grupo, a ideia da cúpula da corporação é compartilhar as informações com os outros integrantes para debater como será o modelo brasileiro de combate a esse tipo de crime.

Além de fake news, Segovia deve se reunir com as agências americanas especializadas para debater tráfico de drogas, armas e pornografia infantil. Com a DEA - que atua no combate ao tráfico de drogas -, a PF pretende expandir a cooperação que contribuiu para que em 2017 fossem batidos todos os recordes de apreensão de drogas. Foram 353 toneladas de maconha e 47 de cocaína.

Com a agência de imigração e crimes transfronteiriços, a ICE, a PF quer estabelecer novas parcerias para o combate à pornografia infantil. Em 2017, a PF realizou 245 operações contra esse tipo de crime.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade