Publicidade

Estado de Minas PRIMEIRA LEITURA

Pedaço de mim


11/12/2020 04:00 - atualizado 11/12/2020 10:03

Edith Elek(foto: Divulgação)
Edith Elek (foto: Divulgação)

Sobre a autora

Nascida em São Paulo em 1945, Edith Elek é jornalista profissional, terapeuta de pessoas com câncer, editora de livros e tradutora de húngaro. Pedaço de mim é o seu primeiro livro. O ensaísta Rodrigo Petronio, no posfácio, destaca que “tudo cabe em um baú de sublimações, decadências e renascimentos”. “A poesia de Edith Elek se baseia nesse compromisso com um mundo de seres tangíveis. Nesse sentido, Pedaço de mim não se escreve nem como metonímia nem como metáfora. Inscreve-se como mereografia: a escrita das partes. Essa escrita ao fim e ao cabo não ambiciona revelar a eventual totalidade da vida da poeta. No caso, Edith. Pretende, sim, mostrar a coextensão entre o corpo, o poema e a vida. Em cada poema se preserva e se armazena o que foi e o que se foi – para sempre”, assinala Petronio.



Tarde de sábado 

Na tarde brilhante de sol cheio 
no silêncio de sábado 
apenas ao longe, vozes de crianças. 

No buraco de tempo 
no dolce far niente 
um corpo lânguido repousa 
e prazerosamente 
se entrega ao momento 
entre o poema, o livro e o sono. 

Sobre o corpo nu 
a colcha de piquê 
e uma eterna ausência.



passagem

Através do abismo, 
O melhor de mim. 

No salto para a morte, 
a vida enfim.



Balanço 

Morri muitas vezes, 
sobrevivi outras tantas. 
No caminho, 
cruzei descaminhos 
mas sempre voltei 
a tempo da aurora. 

Escorreguei em musgos e limos, 
escalei montanhas rochosas. 

Do céu não provei o gosto, 
mas tingi os olhos de azul 
e cavalguei estrelas. 

Plantei sementes, 
colhi frutos, 
uns ácidos, 
outros maduros. 

Espelho de fantasias, 
bumerangue de emoções, 
fui tão longe quanto permitiu meu corpo. 

Se valeu a pena? 
Que o diga quem fica e me ama. 
Meu destino era esse: 
roçar com asas estranhas 
a alma de muita gente.



Lição de Miguilim 

Termino de ler Miguilim, de Guimarães Rosa 
e choro. 
Choro pela beleza do livro. 
Pela dor dos que se amam e se separam. 
Pelas belezas e durezas da vida. 

Mas bem lá no fundo, 
é por mim mesma que choro. 
Porque sei que um dia, 
mesmo quando se é pequeno e frágil, 
é preciso pôr os óculos, 
enxergar a vida, 
e engolir o medo e o pranto. 

Os óculos, já os tenho. 
Só me falta outro tanto.



Pedaço de mim 
• Edith Elek
• Editora 7Letras
• 80 páginas
• R$ 38


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade