Publicidade

Estado de Minas

Os desafios da saúde no Brasil

Prática médica é hoje uma atividade em transformação


Sistema Unimed Mineiro
Conteúdo patrocinado
Sistema Unimed Mineiro
postado em 22/10/2018 15:00 / atualizado em 22/10/2018 15:20

Carlos Vital presidente do CFM (foto: Divulgação CFM )
Carlos Vital presidente do CFM (foto: Divulgação CFM )

 
Embora em 2018 o país tenha alcançado o maior marco histórico em número de médicos, a alta densidade não garantiu melhor distribuição desses profissionais, pois eles estão concentrados em grandes centros e capitais brasileiras. Os números impressionam: em 2020, o Brasil terá ultrapassado a marca de meio milhão de médicos. A região Sudeste tem a maior taxa, de 2,81 médicos por mil habitantes.

Os dados fazem parte da pesquisa realizada pela Faculdade de Medicina da USP, com o apoio do Conselho Federal de Medicina (CFM). O estudo apontou que, enquanto em todo o Brasil existem 2,18 médicos por mil habitantes, em algumas capitais brasileiras – Vitória, no Espírito Santo, por exemplo – existem 12 médicos por mil habitantes. No outro extremo, no interior das regiões Norte e Nordeste, há menos de um médico por mil habitantes. 

Segundo o presidente do CFM, Carlos Vital Tavares Correa Lima, a desigualdade na distribuição dos profissionais é fruto, sobretudo, da ausência de incentivos que estimulem a fixação dos profissionais e, especialmente, de condições mínimas para o atendimento: infraestrutura adequada e oferta de insumos e equipamentos para diagnóstico e terapia. 

A mesma desigualdade pode ser observada quando olhamos para a própria profissão. A concentração da formação em determinadas especialidades médicas alimenta uma carência de profissionais para atender as crescentes demandas, por exemplo, da Atenção Primária. Esse modelo tem se mostrado eficiente em diversas partes do mundo e sua implantação vem sendo incentivada no Brasil pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), como diretriz para as operadoras de planos de saúde. 

O Sistema Unimed mineiro tem investido na implantação da APS, uma iniciativa em que o paciente ocupa lugar central no cuidado, com uma rede integrada de assistência capaz de acompanhar o seu percurso, alcançando diagnóstico e tratamentos mais precisos e efetivos. “No último dia 18 de outubro, celebramos do Dia do Médico, uma data que nos faz refletir sobre o atual cenário da saúde em nosso país e a necessidade de estímulo à formação de médicos generalistas para atender, por exemplo, aos modelos de Atenção Primária à Saúde”, defende Luiz Otávio Fernandes de Andrade, presidente executivo da Unimed Federação Minas.

A instituição representa as 67 Unimeds mineiras, prestando assistência para cerca de 3 milhões de beneficiários em todo o estado. Atuando sob o modelo cooperativista, o Sistema Unimed mineiro conta com mais de 17 mil médicos cooperados e gera mais de 8,6 mil empregos diretos.
 
 


Publicidade