Publicidade

Estado de Minas ANÁLISE DO MERCADO

Projetos de inovação são primeiros a ser cortados, diz pesquisa

Gestores reclamam que a falta de inovação nas empresas tem raiz na falta de cultura e na expectativa de resultado de curto prazo


Runrun.it
Conteúdo patrocinado
Runrun.it
postado em 22/07/2019 10:41 / atualizado em 23/07/2019 14:12

(foto: Divulgação/Laurens Derks)
(foto: Divulgação/Laurens Derks)
A pesquisa Brazil Innovation Survey, divulgada pelo fundo ACE e realizada com gestores de empresas de diferentes tamanhos, mostrou que o maior problema identificado para travar a inovação é a falta de cultura de inovação (30%).

Os entrevistados também afirmaram que resultados de curto prazo e time pequeno são um entrave para a inovação. Apesar disso, entre quase todos os entrevistados a inovação é importante ou muito importante – apenas 2,4% disseram ser irrelevante. O investimento nesse tipo de iniciativa, no entanto, varia entre 0,5% e 3% do faturamento das empresas.

“Nossa experiência mostra que projetos de inovação são os primeiros a serem cortados no caso de redução de custos”, afirma o relatório. “A pressão por resultados no curto-prazo, por exemplo, é um aspecto que pode acabar impedindo maiores retornos dos projetos de inovação, principalmente quando falamos de inovação disruptiva que demoram de 3 a 5 anos para atingir um grau de maturidade relevante e gerar retornos concretos ao negócio”, continua.

Comece aos poucos

Ao falar de inovação, talvez venha à mente empresas com tecnologia de ponta, unicórnios do Vale do Silício. Mas é possível inovar aos poucos, e um dos primeiros passos é começar na gestão.
 
"Há quanto tempo nós trabalhamos com planilhas? Nós mudamos a forma como dirigimos (Waze), como assistimos TV (Netflix) e até como namoramos (Tinder)! Por que temos que trabalhar com ferramentas do século passado?", questiona Antonio Carlos Soares, CEO do Runrun.it, um software de gestão do trabalho. 
 

O aumento de produtividade é um dos benefícios do Runrun.it, que ajuda na padronização de processos e controle de prazos

Antonio Carlos Soares, CEO do Runrun.it

 
 
O diferencial da ferramenta, segundo Soares, é o controle do tempo de cada tarefa, projeto e cliente. “A preocupação de quanto tempo cada funcionário demora para realizar cada tarefa é recente, e vem para tornar a gestão muito mais eficiente”, garante.
 
A empresa promete tornar o fluxo de trabalho transparente, para que todos os envolvidos estejam a par das decisões tomadas e das entregas realizadas. O aumento de produtividade é um dos benefícios, além da padronização de processos e  controle de prazos.


Publicidade