Publicidade

Estado de Minas ESPECIAL

Vale reforça que não sairá de MG e que estado é estratégico para a empresa

Mineradora pretende manter a produtividade em Minas e continuar investindo em ações socioambientais no estado


Brumadinho e região | Reconstrução
Conteúdo patrocinado
Brumadinho e região | Reconstrução
postado em 30/06/2019 06:20 / atualizado em 01/07/2019 11:07

Memorial Minas Gerais, na Praça da Liberdade(foto: Daniel Mansur / Studio Pixel)
Memorial Minas Gerais, na Praça da Liberdade (foto: Daniel Mansur / Studio Pixel)
Quase 25% dos 106 mil empregados (próprios e terceiros) da Vale no mundo trabalham em Minas Gerais. O estado abriga quatro grandes complexos de minério de ferro, com atividades em mais de 20 minas. O minério produzido aqui é transportado por duas ferrovias e escoado por três portos – dois no Rio de Janeiro e um no Espírito Santo. 

Toda essa estrutura é essencial para manter a produtividade da Vale em Minas Gerais, que é fundamental para o futuro da empresa. Isso porque foi a partir do minério produzido em terras mineiras que nasceu o principal produto da Vale atualmente: o Brazilian Blend Fines (BRBF), um produto premium, que se tornou referência no mercado. O BRBF é obtido a partir da blendagem (mistura) dos minérios de Minas Gerais e do Pará. Cada um com suas características, os dois minérios, juntos, formam um produto de excelente qualidade e aceitação comercial, principalmente na China. Ou seja, não é possível produzir o BRBF sem a manutenção da produção nos dois estados.

“O minério de ferro de mais alta qualidade está no Pará, mas o produto de mais alta qualidade vem de Minas”, afirma o diretor executivo de Finanças e Relações com Investidores da Vale, Luciano Siani Pires. O diretor presidente da empresa, Eduardo Bartolomeo, ressalta que o estado é “fundamental para a estratégia da Vale”. “Jamais vamos sair daqui e temos vários motivos para afirmar isso. O que temos que fazer agora é corrigir o que está errado, melhorar nossa atuação, com respeito às pessoas, e buscar retornar nossas operações de forma segura”, diz Bartolomeo.

O futuro da Vale no estado também se replica em suas ações socioambientais. Em 2018, a Vale investiu na área R$ 280 milhões. Os recursos são aplicados, por exemplo, em projetos de geração de trabalho e renda, atendimento à educação básica e capacitação de profissionais da educação. Em Brumadinho, a Vale patrocina desde 2011 o Instituto Inhotim e, na capital, mantém o Memorial Minas Gerais Vale, que, em 2018, recebeu quase 72 mil visitantes.

A empresa também mantém o único trem diário que liga duas capitais do país, Belo Horizonte e Vitória (ES), passando por 42 municípios, e o Trem Turístico que conecta as cidades históricas de Ouro Preto e Mariana. Em 2018, a Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM) transportou 1,1 milhão de passageiros e o Trem Turístico, mais de 96 mil pessoas.

No campo ambiental, a Vale conserva mais de 68 mil hectares de áreas protegidas, o que equivale a cerca de 68 mil campos de futebol oficiais, com os biomas Mata Atlântica e Cerrado. Em Minas Gerais, a empresa possui ainda 19 Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs), que ocupam uma área de 9,5 mil hectares, o equivalente a 10 mil campos de futebol.


Publicidade