Publicidade

Estado de Minas INOVAÇÃO

Medicina do futuro: a tecnologia como aliada na formação profissional

O UniBH junta a tradição à inovação no ensino de Medicina dos futuros médicos que, mesmo na pandemia, não pararam as aulas em ambiente virtual


Educação
Conteúdo patrocinado
Educação
postado em 01/06/2020 09:30 / atualizado em 01/06/2020 15:59

Laboratório de Simulação Realística da UniBH.(foto: Divulgação/UniBH)
Laboratório de Simulação Realística da UniBH. (foto: Divulgação/UniBH)

A tecnologia de ponta tem sido uma grande aliada dos estudantes de Medicina do Centro Universitário UniBH, em Minas Gerais. Investimentos tecnológicos feitos antes e durante a pandemia de COVID-19 enriquecem a formação teórica e prática dos futuros médicos. 
 
Mesas tridimensionais de anatomia, salas virtuais de atendimento médico e plataforma de multicanais que integram vários cursos de Medicina distribuídos pelo Brasil estão entre as inovações em sala de aula. 
 
Isso tudo sem deixar de lado a promoção de uma visão empática e humanizada no contexto da responsabilidade social na qual o curso de Medicina do UniBH está inserido. Como consequência, os alunos estarão preparados integralmente para ingressarem num novo mercado de trabalho que exige, cada vez mais, profissionais aptos a tomarem decisões assertivas. 
 
Mesmo com as medidas restritivas impostas pela pandemia, o ensino não pôde parar. Sendo assim, o UniBH determinou aulas a distância aos estudantes de Medicina que podem continuar se preparando de suas casas. 
 
Portanto, se antes da COVID-19 o aprendizado já era aprimorado com recursos tecnológicos, depois da doença a tecnologia marcou presença no curso, com simulações virtuais para testar as habilidades dos alunos. 

Escritório virtual: alunos são inseridos em novos métodos de atendimento 


A coordenadora do curso de Medicina do UniBH, Camila Souza, lembra que recentemente foi feito um alto investimento em laboratórios de simulação realística, mesa 3D de anatomia e plataformas como o Body Integract e a Conexa. “Isso ocorre para que a prática se inicie em ambientes simulados e posteriormente promova aos pacientes o atendimento mais seguro e de maior qualidade”, ressalta Camila. 
 
Só para se ter uma ideia, o curso de Medicina do UniBH é o primeiro da América Latina a incorporar a plataforma Body Interact. Portanto, ela possibilita que os alunos simulem virtualmente atendimentos, em diversas especialidades médicas, na área hospitalar, ambulatorial e pré-hospitalar. 
 
Além disso, os futuros médicos terão conhecimento sobre um novo formato de atendimento através do consultório virtual, que é a base da plataforma Conexa. 
 
De acordo com a coordenadora Camila, a ferramenta vai permitir o ensino da telemedicina, telemonitoramento e teleassistência. Assim, os alunos estarão adaptados ao método, que é mais ágil e igualmente preciso ao atendimento presencial. 
 
Laboratório morfofuncional da UniBH.(foto: Divulgação/UniBH)
Laboratório morfofuncional da UniBH. (foto: Divulgação/UniBH)


Plataforma Inspirali: integrando cursos de Medicina do país 


Igualmente inovadora é a plataforma Inspirali, que é a mais nova aquisição do curso de Medicina do UniBH. Para entender melhor a plataforma, é interessante saber que ela integra vários cursos de Medicina do país, fortalecendo assim a formação médica, sobretudo neste momento de pandemia que coloca a saúde pública num novo patamar. 
 
A plataforma foi, portanto, criada pela Ânima Educação sob a supervisão do professor José Lúcio Martins Machado, que soma 35 anos de experiência em mais de 50 cursos de Medicina nos quais participou da implementação. 
 
Desse modo, a plataforma é estruturada em três grandes pilares: 
 
  • Medschool Platform: reúne estratégias e metodologias de ensino e aprendizagem;
  • Plataforma FOCO: orientação e auxílio ao aluno durante a transição de carreira; 
  • Plataforma Insight: sincroniza a formação e o desenvolvimento contínuo do médico no contexto do uso da tecnologia na medicina. 

“A Inspirali será um plataforma de educação médica com canais de multiaprendizagem para contemplar as diferentes formas de o aluno aprender com curadoria de textos, vídeos, áudios e recursos virtuais de realidade aumentada”, acrescenta a coordenadora Camila. 
Atualmente sete cursos distribuídos no Brasil já estão integrados à plataforma. Há ainda a previsão de lançamentos de novos produtos ligados à plataforma ainda em 2020. 
 
Por isso, a coordenação acredita que o recurso auxiliará a formação dos novos médicos formados pelo UniBH. “Estamos assim preparando o aluno por todo seu período de formação, inclusive para a residência médica, com ganho de escala de formação e ganho de qualidade de formação”, completa. 

Tendências: alunos responderam positivamente às mudanças 


Nesse período de isolamento social, os alunos do curso de Medicina do UniBH não pararam suas atividades. A diferença, porém, é que agora elas estão sendo totalmente virtuais. 
Antes da pandemia de COVID-19 as aulas já utilizavam recursos tecnológicos, mas após as medidas restritivas de contato físico a tecnologia ganhou uma posição de destaque. 
 
Na unidade curricular de Habilidades Médicas, por exemplo, onde se imaginou que a falta de contato físico entre estudante e “paciente” iria prejudicar o aprendizado do acadêmico, aconteceu justamente o contrário. 
 
O professor da unidade curricular de Habilidades Médicas, Gregório Victor Rodrigues, afirma que nas aulas presenciais, uma das atividades visava avaliar o atendimento ambulatorial do acadêmico. O professor ficava numa antessala assistindo à simulação de atendimento e depois dava o seu parecer sobre o desempenho do estudante. 
 
Mas com a tecnologia aplicada no ensino a distância, o estudante entra numa sala virtual e atende ao ator que está em outra sala virtual. O professor, portanto, tem a oportunidade de acompanhar o atendimento, rever os pontos em que ficou em dúvida sobre a performance do aluno e dar o seu feedback. 
 
Plataformas virtuais também são utilizadas para pesquisas de artigos científicos por parte dos alunos e reuniões on-line dos estudantes com os seus respectivos professores. 
O mais interessante, segundo o professor Rodrigues, é que o método tornou-se bastante eficaz, tanto na execução por parte dos alunos quanto na avaliação docente. 
 
“No começo me deixou meio apreensivo, mas agora eu vejo que houve uma resposta muito positiva dos alunos. Demonstrou que não foi uma solução tapa-buracos, mas sim algo que pode ter continuidade quando a pandemia passar, quando vier o novo normal”, comenta. 

Inovação: um dos valores do UniBH 


A inovação, aliás, está entre os valores do UniBH, da qual a instituição não abre mão, superando assim o atual desafio de levar conhecimento aos futuros médicos em época de incerteza e, especialmente, com a valorização da importância da formação médica. 
 
Sendo assim, o curso de Medicina do UniBH confirma sua posição como um dos melhores do Brasil. Classificado com nota 4 no Ministério da Educação, ele também faz parte do melhor centro universitário privado de Belo Horizonte, como pode ser constatado no Índice Geral de Cursos (IGC), divulgado em dezembro de 2019 também pelo Ministério da Educação. 
 
Com 50 anos de história e 40 cursos de graduação (divididos em bacharelado, licenciatura e graduação tecnológica), o UniBH ainda tem vários cursos de especialização lato sensu, possibilitando a continuidade dos estudos dos graduados. 
 
Isso tudo com o apoio de uma estrutura física, como a do Campus Buritis, na capital mineira, e de profissionais reconhecidos em suas posições, tanto que o UniBH está na lista das 100 Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil (Great Place to Work - GPTW) desde o ano de 2014.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade