Publicidade

Estado de Minas GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Consumidores podem produzir a própria energia ou alugar lotes em fazendas solares. Saiba como funciona

Mini e microgeração distribuída é normatizada pela ANEEL e, em Minas Gerais, sistema de compensação de energia é gerido pela Cemig em 774 municípios. Empresa entra no mercado com o lançamento da Cemig S!M


Cemig
Conteúdo patrocinado
Cemig
postado em 11/10/2019 15:32 / atualizado em 11/10/2019 15:41

Algumas das 16 mil placas fotovoltaicas instaladas em miniusina no Norte de Minas(foto: Divulgação/Cemig)
Algumas das 16 mil placas fotovoltaicas instaladas em miniusina no Norte de Minas (foto: Divulgação/Cemig)
Uma Resolução Normativa publicada em 2012 pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) define as condições para que o consumidor brasileiro possa gerar a própria energia elétrica. Trata-se da RN nº 482, que dispõe sobre a micro e minigeração distribuída de energia, define os critérios e modalidades para que o consumidor possa gerar a própria energia. 
 
A geração distribuída se difere do modelo de geração centralizada, no qual as grandes usinas geradoras são responsáveis pela produção e distribuição aos clientes por meio das linhas e redes de transmissão. Nela, devidamente normatizada, há abrangência desde a geração própria de energia pelo consumidor até o fornecimento do excedente para a rede de distribuição da região habitada.
 
Na prática, como o próprio nome já diz, a geração distribuída engloba a produção de energia em pontos diversos por meio de sistemas geradores que ficam próximos ou, até mesmo, na própria unidade consumidora, a exemplo de casas, empresas e indústrias. Esses sistemas são ligados à rede elétrica pública.
 
A modalidade tem ganhado número crescente de adeptos por ser uma opção relevante para quem quer reduzir custos com o uso de energia, tendo em vista que o Brasil possui uma das tarifas energéticas mais caras do mundo e, sobre ela, ainda incidem cargas tributárias.
Em Minas Gerais, um dos principais exemplos dessa estratégia pode ser encontrado na Escola Estadual Pandiá Calógeras, que usa um sistema de geração de energia com placas de captação solar. A iniciativa faz parte de projeto que busca a instalação de miniusinas em 100 unidades públicas da Grande BH até 2020.
 
A diretora da unidade de ensino, Marta Eliana Azevedo Campos, explica que a estrutura funciona como uma miniusina formada por três placas posicionadas no telhado da escola e tem gerado economia.
 
“Instalamos as placas no telhado da escola, em uma iniciativa da Cemig em parceria com a Secretaria de Educação, e conseguimos até 56% de economia todos os meses. A geração de energia ainda não consegue atingir o consumo total da unidade devido à alta demanda diária, mas conseguimos reduzir significativamente nossos gastos”, detalha a diretora.
 
Ainda segundo ela, em alguns horários de pico de geração a energia é gerada em maior volume consumido instantaneamente e chega a ser redistribuída na rede da Cemig. Além disso, a iniciativa ajuda a fomentar a atuação sustentável e ainda colabora com os conteúdos em sala de aula, na disciplina de Ciências, quando os alunos conhecem de perto essa forma de geração de energia e são envolvidos no tema. 
 
O engenheiro de processos comerciais da Cemig, Lucas Martins, explica que há diferença entre clientes de alta tensão e baixa tensão. 
 
“Os clientes de alta tensão podem comprar no mercado livre, enquanto os clientes de baixa tensão, por pertencerem ao mercado cativo,  só podem receber energia da distribuidora. Agora, toda empresa ou pessoa física pode deixar de ser um simples cliente e pode ser um gerador. Diferentemente do gerador convencional, o excedente de sua energia não pode ser monetizado. Toda a geração realizada é compensada no próprio consumo e, eventualmente, constitui créditos para consumos futuros”, destaca.  

Foco em geração de energia solar e soluções inteligentes em energia: Cemig S!M

 
Expandindo sua atuação voltada às energias sustentáveis, a Cemig lançou, no dia 8 de outubro, uma nova empresa  pautada em tecnologia, inovação e sustentabilidade. Trata-se da Cemig S!M - Soluções Inteligentes em Energia. 
 
De acordo com Danilo Gusmão, presidente da Cemig S!M, “ a nova marca   visa atender ao mercado de energia compartilhada, atuando nas frentes de geração distribuída, cogeração e armazenamento de energia, serviços tecnológicos, eficiência energética, gestão de iluminação pública e utilidades, mobilidade elétrica e serviços em conta, além de outras soluções”, afirma. 
 
á iniciou o atendimento às empresas, que poderão aproveitar benefícios como redução de até 18% na tarifa de energia sem a necessidade de investir em equipamentos.
 
A previsão é que cerca de R$ 600 milhões sejam destinados pela Companhia até 2020 na construção de novas usinas solares. Até 2020, a S!M irá construir 32 usinas em Minas Gerais. 
 

Usina de minigeração no Norte de Minas

 
Atenta à crescente demanda por geração distribuída, e antecipando as iniciativas do projeto da Cemig S!M, a Companhia inaugurou, em fevereiro deste ano, a primeira usina de minigeração destinada ao atendimento a clientes que utilizam baixa tensão, como comércios e pequenas indústrias. A novidade foi instalada no município de Janaúba, Norte de Minas.
 
Para a usina, foram investidos R$ 18,5 milhões em uma estrutura de 230 mil m², equivalente a 27 campos de futebol. A iniciativa é fruto de uma parceria com o Grupo Mori Energia Solar e conta com 16 mil placas fotovoltaicas que geram energia a partir da luz solar, um insumo abundante no Norte de Minas.
 
A energia produzida será utilizada por comerciantes do Mercado Central do município, além de empresas e indústrias associadas à Federação das Indústrias de Minas Gerais.
 
Mais informações sobre os investimentos, contratação, simulação e serviços em energia solar podem ser vistas no site oficial da Cemig S!M.
 
 
 
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade