Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Morrem mais homens do que mulheres


postado em 12/04/2020 04:00

Vivaldo José Breternitz
São Paulo

"O coronavírus não é aquilo que se pensa, uma doença democrática que atinge a todos, indiferentemente. Idosos, portadores de algumas doenças e pessoas de nível socioeconômico mais baixo são os alvos favoritos da doença. Mas analisando-se os dados disponíveis, está claro que os homens também estão entre os alvos preferenciais: um estudo do CCDC (Chinese Center for Disease Control and Prevention), órgão vinculado ao governo chinês, diz que mais de 60% dos mortos eram homens. Na Itália, a situação não é diferente: dados do ISS (Istituto Superiore di Sanità), o mais famoso instituto de pesquisas em saúde pública daquele país, mostram que 70% dos mortos eram homens. Constata-se, também, que as mulheres mortas tinham idade média de 82 anos, contra 79 dos homens. Na Espanha, dois terços dos mortos eram homens. Os dados disponíveis mostram que o único país onde a situação é diferente é a Coreia do Sul, onde 61% dos infectados eram mulheres. Talvez isso possa ser explicado pelo fato de que a igreja Shincheonji, identificada como o epicentro de infecções no país, era frequentada, majoritariamente, por mulheres muito jovens. De qualquer forma, a moléstia nesse país matou pouca gente. Pesquisas que são realizadas há mais tempo sugerem que fatores genéticos ou ligados à presença de determinados hormônios podem tornar as mulheres mais resistentes a esse tipo de infecção. Fatores ligados ao estilo de vida podem ser importantes: na China, onde a população fumante é muito grande, apenas 2% das mulheres fumam. Na Itália, quase 25% dos homens fumam, contra 15% das mulheres. Tanto na China como na Itália, o percentual de homens portadores de diabetes tipo 2, problemas cardíacos e pressão alta é maior que os de mulheres, tornando-os alvos preferenciais. Por fim, o falso senso de segurança, talvez derivado do machismo: homens cuidam-se menos, inclusive tomando medidas de segurança simples, como a lavagem das mãos, menos frequentemente que as mulheres."

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade