UAI

Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas editorial

Desmatamento avança no país

O desequilíbrio ambiental interfere diretamente na economia do país, que passa por um dos seus piores momentos


20/11/2021 04:00

Às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021 (COP-26), realizada de 31 de outubro a 12 deste mês, em Glasgow, na Escócia, o relatório do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe) informou ao governo que 13.235km² de flora nativa foram dizimados na Região Amazônica – um aumento de 22% na comparação com o período de agosto de 2020 a julho último. O documento do Inpe só foi divulgado ontem, 17 dias após o encerramento da COP-26. 
A destruição da floresta é resultado de ações irresponsáveis e criminosas de invasores de áreas preservadas, que não encontram nenhuma reação do poder público. O desmatamento avança vertiginosamente e esvazia os discursos e compromissos, tanto do presidente quanto de seus auxiliares, de preservação do patrimônio natural da maior floresta tropical do planeta. Dificilmente, o Brasil conseguirá conter a devastação da Amazônia até 2030, conforme anunciou o ministro do Meio Ambiente, Joaquim Pereira Leite. 
 
Os órgãos de fiscalização da pasta – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio) – foram desmontados na gestão do então ministro Ricardo Salles, e assim permanecem. Além disso, havia a recomendação expressa de reduzir as sanções pecuniárias, dificultar a aplicação de multas, num franco favorecimento aos predadores ambientais. 
 
Nada mudou. As porteiras continuam abertas para passar a boiada. A inércia federal ante as ações predatórias do meio ambiente, especialmente da Amazônia, reforça o descrédito do Brasil diante de outras nações e afasta investidores nacionais e estrangeiros, engajados na luta global para mitigar os danos das mudanças climáticas. Mas não só isso. Os efeitos do desmatamento e das queimadas têm afetado o equilíbrio climático no país. 
 
O regime de chuvas foi alterado e o governo chegou a supor que enfrentaríamos racionamento de energia. A saída foi o uso mais intenso de termelétricas, com grave impacto no bolso dos brasileiros e, nessa esteira, no aumento da inflação. 
 
O agronegócio, um dos principais esteios da economia brasileira, também se ressente com as alterações do clima. Ou seja, o desequilíbrio ambiental interfere diretamente na economia do país, que passa por um dos seus piores momentos. Além de inflação e juros em alta, há o desemprego, a fome e a miséria que se espraiam pelos quatro cantos do país. 
 
Apesar de todos os estudos indicarem que a preservação da floresta em pé é essencial para o desenvolvimento do país, o governo insiste numa política de dizimação do patrimônio natural para abrir novas frentes agropecuárias, permitir a exploração mineral em áreas preservadas ou ocupadas pelas populações originárias e tradicionais. 
 
Essa opção só tem colaborado para comprometer a imagem do Brasil ante as nações cientes de que essa trajetória está na contramão do esforço global para o enfrentamento das mudanças climáticas e da defesa dos direitos humanos. Os danos de uma política antiambiental não têm como ser mascarados.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade