Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas editorial

Mais apoio aos atletas

O Brasil tem dimensão e potencial para ser, no futuro, potência em Olimpíadas


02/08/2021 04:00 - atualizado 01/08/2021 20:28

A cada quatro anos – desta vez com um intervalo de cinco, por causa da pandemia – os Jogos Olímpicos nos levam a exaltar heróis brasileiros do esporte, muitos dos quais improváveis, surgidos de uma combinação de talento, esforço pessoal, superação de dificuldades e até do acaso, do surgimento de oportunidade para uma criança carente, mostrando que o apoio à prática esportiva pode e, de fato, tem sido efetivo na multiplicação de atletas de ponta e medalhas olímpicas.

Um exemplo cabal disso já tinha ocorrido em 2016, nos Jogos do Rio de Janeiro, quando a judoca Rafaela Silva, de menina pobre, da favela Cidade de Deus, alcançou o alto do pódio, graças a uma chance que a alçou ao esporte de alto rendimento no Instituto Reação, mantido pelo ex-lutador de judô Flávio Canto, justamente para acolher crianças e jovens carentes com potencial para o esporte.

Agora, nas Olimpíadas de Tóquio, novos expoentes do Brasil se destacam, alguns de forma parecida. A história da ginasta Rebeca Andrade, que ontem conquistou medalha de ouro, revela que, para encantar o mundo no Japão, antes, ainda bem menina, filha de uma doméstica, teve a chance de que precisava num programa de iniciação esportiva da Prefeitura de Guarulhos (SP). Quando faltava o dinheiro do ônibus, chegava a caminhar duas horas por dia para ir ao ginásio treinar. Já o campeão olímpico do surfe Ítalo Ferreira pegava ondas com tampas de caixas de isopor do pai, vendedor de peixe em Baía Formosa (RN), até conseguir a primeira prancha, que o catapultaria aos títulos e à fama.

São apenas alguns de muitos exemplos que ressaltam a necessidade de investir na formação de atletas. A preparação para os próximos Jogos, de Paris’2024, começa agora e terá de ser agilizada, num ciclo olímpico encurtado para três anos, devido ao adiamento forçado do evento japonês. Uma das providências recomendáveis seria reforçar e ampliar o alcance do Bolsa Atleta, programa do governo federal que contempla atletas com potencial de alto rendimento.

Atualmente são cerca de 7,2 mil beneficiários, com valores mensais que variam de R$ 370 (atleta de base e estudantil) a valores entre R$ 5 mil e R$ 15 mil (olímpicos e paraolímpicos). Para se ter uma ideia da importância, 80% dos cerca de 300 competidores brasileiros em Tóquio são bolsistas. Houve proporção semelhante no Rio’2016, quando do recorde de 19 medalhas, a única em que a modalidade não tinha bolsistas foi o futebol (levou o ouro).

Seria interessante, então, no embalo das emoções de Tóquio, ampliar o raio de ação do programa e reajustar o valor das bolsas, o que não ocorre desde 2010, além de aumentar os incentivos para que as empresas patrocinem atletas e modalidades esportivas. A qualificação dos treinamentos é mais um desafio. E pode minimizar frustrações, como a de Altobeli Silva. Finalista nas Olimpíadas do Rio e ouro no Pan de Lima’2019 nos 3 mil metros com obstáculos, ele ficou em décimo lugar em sua eliminatória e não se classificou no Japão, mesmo tendo cumprido longo e intenso período de treinos.

Após a eliminação, Altobeli sugeriu mais intercâmbios com a Europa e outros centros, para melhorar a preparação. “É uma ideia para essa molecada promissora que está vindo aí. Para entender por que os caras sempre mantêm o alto nível. O que eles fazem de diferente. Tem cara que chegou na minha frente que eu treino mais do que ele. Eu treinei para caramba e merecia um resultado melhor. Estou muito chateado”, desabafou o fundista.

Para o desenvolvimento do atletismo e de outras modalidades, mas pensando à frente dos Jogos de Paris, a prazo bem mais longo, o Brasil deveria também dotar as escolas públicas de ensino básico de equipamentos e profissionais para um trabalho sério de educação física, capaz de garimpar e encaminhar atletas mirins para a formação de excelência.
O Brasil tem dimensão e potencial para ser, no futuro, potência em Olimpíadas. Nos esportes mais estruturados e profissionalizados, como futebol e vôlei, o país já é referência mundial. Resta, então, investimento planejado em outras categorias para colher novas safras de campeões e medalhistas olímpicos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade