Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

País continua atrativo para as startups

"As startups voltadas para as áreas de finanças, varejo, saúde e educação chamaram a atenção de investidores"


31/07/2021 04:00 - atualizado 30/07/2021 19:54

Maurício Lima
Cofundador e CEO da Invest Tech
 
Mesmo com todos os problemas enfrentados ao longo de 2020 e 2021, o Brasil deve emergir deste período como um campo fértil para startups e investidores. Com a aceleração da digitalização dos negócios no ano passado – fruto da pandemia –, vimos nascer por aqui mais de uma startup por dia, muitas com times excepcionais que se propõem a resolver problemas únicos de nosso país. E junto com as empresas, os investidores também estão bem mais ativos em busca de novas oportunidades.
As startups voltadas para as áreas de finanças, varejo, saúde e educação chamaram a atenção de investidores. Desde 2016, os volumes investidos nessas empresas vêm crescendo significativamente, alcançando, em 2020, um pico de R$ 19,7 bilhões investidos, segundo dados da Abstartups (Associação Brasileira de Startups).
 
E ao que parece o ritmo vem se mantendo este ano. O relatório Inside Venture Capital aponta que, nos primeiros meses de 2021, as startups brasileiras receberam cerca de R$ 16,2 bilhões em investimentos, ou 90% do total investido no ano passado. Foram 261 aportes realizados até maio e, mesmo tirando dessa conta os aportes gigantes realizados no Nubank (US$ 400 milhões), Loft (US$ 525 milhões) e o Quinto Andar (US$ 300 milhões), os volumes atingidos representam recorde quando comparados aos últimos cinco anos. Continuando assim, devemos fechar este ano com mais de US$ 5 bilhões investidos em startups.
 
As fintechs têm atraído a maior parte desses investimentos. Essas empresas receberam 57 investimentos neste ano e um volume de US$ 1,158 bilhão, seguidas pelas startups do ramo imobiliário, com US$ 825 milhões em investimentos. Outra pesquisa, essa da Transactional Track Record (TTR), que engloba também as grandes operações, mostra que os fundos de venture capital já aportaram R$ 15,2 bilhões em empresas de tecnologia no Brasil no período entre janeiro e maio deste ano, com 115 transações.
 
Os números mostram, ainda, que o Brasil está se consolidando como um mercado atraente não apenas para as startups locais. Os volumes investidos por aqui pelos investidores, e o tamanho do mercado consumidor local, têm sido atrativos também para que empreendedores latino-americanos encontrem aqui um mercado grande o suficiente para dar escala aos seus negócios e, com isso, justificar novos investimentos.
 
Não faltam exemplos desse movimento, como as fintechs Addi e Clara, a startup de venda de carros Kavak e a Bitso, corretora de criptomoedas. E mesmo casos interessantes de empresas que entraram em operação simultaneamente no Brasil e México, como a Casai e a Merama.
 
Essa atração das startups pelo mercado brasileiro não se dá sem motivo. O Brasil tem hoje um mercado consumidor de mais de 200 milhões de pessoas e é a maior economia da América Latina com um PIB de R$ 7,4 trilhões. São ou não são bons motivos?


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade