Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Turismo e shows para retomar a vida

A indústria do turismo precisa voltar a ganhar a vez. A nós, cabe apoiar e incentivar esses empresários, seus trabalhadores, suas vidas


20/07/2021 04:00

Gregório José
Jornalista, radialista e filósofo. Pós-graduado em gestão escolar, MBA em gestão pública

Enquanto vivenciamos um período conturbado de fake news alardeando proibição disto, proibição daquilo, um político dizendo besteira aqui, um grupinho respondendo dali, vivenciamos dias de pré-retomada da normalidade mundo afora.
 
Estados Unidos e Europa vão abrindo seus espaços públicos, museus, igrejas históricas, pontos turísticos. Alguns locais têm até shows com capacidade de 30% do público total, outros até mais.
 
Pela televisão é possível verificar que alguns espaços públicos já começam a ganhar vida, com pessoas sem máscaras, sorrindo, se divertindo. Mas todos ali presentes passaram por vacinação como deveriam, alguns até apresentam exames de testagem. Aqueles que são “barrados” no exame recebem o dinheiro do ingresso de volta.
 
Por outro lado, as pessoas que insistem em não se imunizar contra a doença continuam sendo restringidas de ir e vir como desejariam, mas é o preço que se paga pela decisão tomada.
 
Há alguns dias, o presidente francês disse que somente frequentariam cafés e casas noturnas os que apresentassem o passaporte digital da vacina. Foi uma correria desenfreada aos postos de vacinação. Afinal, todos querem viver livremente, sem máscaras, sem impedimentos, vivendo como em anos atrás.
 
No Brasil, embora muitas pessoas temam a vacina, outras seguem todas as determinações. Uns tantos tomam uma dose e se esquecem de retornar aos postos para a segunda, depois vão para as redes sociais atacar os órgãos públicos de imunização. Os cartões de vacina têm a data de quando a unidade deve ser procurada para completar o ciclo.
 
O que me trouxe a este artigo hoje foi falar que a indústria do turismo para centenas de cidades é sobrevivência. Não há como cidades históricas, proprietários de pousadas, restaurantes sobreviverem sem que tenham público para visitá-los, consumir, comprar. O que dizer dos artesãos, tão penalizados com suas artes subvalorizadas?
 
É hora de apoiarmos esses espaços, essas casas, essas cidades. A indústria do turismo precisa voltar a ganhar a vez. A nós, cabe apoiar e incentivar esses empresários, seus trabalhadores, suas vidas.
Uma coisa é fato: teremos que manter o vírus sob controle. Mas como? Tomando a vacina, nos cuidando, evitando aglomerações (mas quando não tiver jeito) usando máscara, fazendo assepsia de nossas mãos, usando álcool em gel. O coronavírus está aí, pega quem quer!


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade