Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Obesidade e televisão


21/12/2020 04:00

Nayara Mussi Monteze
Doutora em ciência de alimentos

Uma cena corriqueira e aparentemente ingênua pode ser vista praticamente todos os dias nas casas brasileiras: crianças distraídas e entretidas na frente da TV. Mas, o hábito pode trazer riscos e prejuízos para a saúde dos pequenos, durante a infância, com reflexos ao longo da vida adulta.

A indústria de alimentos mundial gastou em 2011, 21 bilhões de dólares com publicidade, sendo que apenas as grandes empresas de fast food investiram 3bilhões de dólares, aproximadamente. É sabido que as propagandas de certos alimentos fazem com que a escolha de alimentos saudáveis se torne uma tarefa mais difícil, principalmente para o público infantil. Afinal, por que o público infantil é o mais vulnerável?

A infância é a fase de descobertas e aprendizados. O público infantil é muito relevante para a publicidade, pois é facilmente cativado, influenciando consideravelmente seus hábitos, escolhas e preferências alimentares.

A intenção da publicidade televisionada é vender o produto e muitas vezes não está associado ao ensinamento de boas práticas alimentares.

Em 2019, orientei uma pesquisa juntamente com estudantes do curso de nutrição, no qual analisamos a relação entre o tempo que crianças entre 4 e10 anos de idade passam em frente à televisão e o estado nutricional.  Neste estudo, percebemos que as crianças permaneciam em média três horas e 20 minutos, todos os dias, em frente à TV e que, quanto maior o tempo na frente do aparelho, maior o peso das crianças, indicando relação entre o hábito de assistir TV e a obesidade em crianças. Neste mesmo estudo, 93% dos pais/responsáveis entrevistados afirmaram que a televisão exerce influência na construção do hábito alimentar da criança.

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente atua neste contexto por meio de uma regulamentação (RDC nº 163 de 13/03/2014), que dispõe sobre a abusividade do direcionamento de publicidade e de comunicaçãomercadológica à criança e ao adolescente, apontando formas de exposição das informações consideradas abusivas. Vale ressaltar a importância do acompanhamento dos pais e responsáveis neste processo, considerando o grande poder de compra que as crianças exercem no contexto familiar.

Aliando o hábito frequente da exposição diante da televisão e as características das informações transmitidas por esse meio, é importante a preocupação dos pais/responsáveis quanto à saúde dos menores, uma vez que o estado nutricional da criança e suas preferências alimentares são carregados por toda a vida.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade