Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

É possível recuperar um cristianismo ecológico?

Talvez seja necessário redescobrir que o ser humano é uma criatura entre tantas outras


18/08/2020 04:00

Luiz Alexandre Solano Rossi
Doutor em ciências da religião e professor da graduação em teologia interconfessional do Centro Universitário Internacional Uninter

A resposta, decididamente, é sim!  O próprio São Francisco de Assis se apresenta como um modelo de postura ecológica e contrário à brutalização da vida. Para ele, a relação com a natureza jamais poderia ser considerada de caráter mercantil, mas sim de cumplicidade na sobrevivência. São Francisco de Assis pode ser considerado um paradigma que nos coloca com a natureza como irmãos e irmãs em contraposição ao paradigma da brutalização que nos coloca sobre a natureza, como senhores.

Todavia, é necessário assumir de forma coletiva nossa responsabilidade pela criação do mundo e de nós mesmos. Caso contrário, corremos o sério risco de manter o espírito de brutalização presente no cotidiano. Nesse sentido, é preciso reconhecer que o social, o ecológico e o religioso se encontram cada vez mais intimamente ligados. A consequência dessa percepção nos levará a reconhecer como um único e mesmo corpo, em uma profunda interdependência, de tal forma que se eliminarmos uma parte, todo o corpo se sentirá agredido. 

Talvez seja necessário redescobrir que o ser humano é uma criatura entre tantas outras. Na comunidade da criação, o ser humano está inserido como membro dela e não seu senhor. O ser humano não exerce domínio senhorial sobre o sistema-terra, mas dele é dependente em suas relações de trocas e sobrevivência. Por isso, jamais está acima, mas lado a lado; não é diferente, mas igual.

Estamos, portanto, diante de um pensamento eco-teológico que reflete a plena consciência ecológica que está latente no ser humano que é, simultaneamente, imagem de Deus e imagem do mundo. E é nesse encontro, nessa síntese de imagens que prevalece a opção ecológica inevitável a todo ser humano. Ele vive, fala e age pelo mundo; ele é sacerdote para o sistema-terra e dela faz o seu sacramento. Percebe-se que a natureza, nesse caso, surge como uma extensão do corpo físico e também do corpo social onde vive o ser humano em suas relações comunitárias com outros seres humanos e, logicamente, com as outras criações e em estreita interdependência.

Assim, diante da brutalização, São Francisco de Assis nos apresenta uma atitude alternativa e de recuperação do cristianismo: uma atitude que se confraterniza, se enche de compaixão e respeito diante de cada representante da comunidade cósmica e planetária. Procura-se resgatar a centralidade do sentimento e a importância da ternura nas relações humanas e cósmicas. São Francisco de Assis, na verdade, é o paradigma que nos ensina a viver adequadamente numa casa planetária comum, mas também a viver bem entre todos os existentes nessa casa comum!


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade