Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Presidente, peixe morre pela boca!

Não está na hora de verificar qual panela apoia ou discorda do presidente


postado em 23/03/2020 04:00

Bady Curi Neto
Advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário

Antes de iniciar o texto, deixo claro que votei em Jair Bolsonaro para presidente do Brasil, por óbvio, diante dos demais candidatos que se apresentaram na disputa do pleito. E confessoaqui, de público, que voltaria a fazê-lo se os candidatos que com ele disputassem as novas eleições fossem os mesmos. Isso não quer dizer que não posso criticar algumas posições assumidas pelo presidente da República e sua constante incontinência verbal.

Algumas características pessoais, que inclusive o ajudaram a se eleger - a exemplo do enfrentamento rígido com a imprensa, os desafios e deboche com a oposição e a própria incontinência verbal, com respostas pouco estudadas -, deveriam ter sido colocadas de lado ao assumir o cargo de representante maior da nação.

Acredito que o presidente é um homem bem intencionado, honesto e que conta com uma equipe de ministros altamente preparados e qualificados, a exemplo de Paulo Guedes, Sergio Moro, entre outros.

Mas respostas de pronto, sem fundamentação e lógica, têm reverberado de forma altamente negativa para o presidente.

Digo isto em razão das palavras anteriormente ditas a respeito do novo coronavírus, que iniciou na China, com violência assustadora, sendo transmitido a todos os continentes. Não se pode brincar com uma situação desta envergadura, pois, agora, que a pandemia chegou ao Brasil, todas as medidas tomadas pela União, realmente necessárias, para abrandar a curva de contaminação em nosso país, quando expostas pelo presidente tem sido motivo dos conhecidos panelaços.

E não se diga que é coisa de esquerda ou de oposição barata. Vários bolsonaristas ficaram revoltados com a atitude do presidente, que, com todo respeito, deveria ter tido maior responsabilidade ao falar de uma doença virótica, com alto índice de contaminação e mortalidade, mesmo que não alcançasse o Brasil (o que sabidamente seria impossível), mas em consideração às vítimas de outros continentes. 

A incontinência verbal do presidente não lhe permitiu um estudo mais profundo sobre o que estava acontecendo no mundo, dando vasão a sua costumeira resposta de pronto. Não se exige de um chefe de Executivo que saiba de tudo, por isso mesmo existem cargos de confiança, a exemplo dos ministros e secretários, cada qual expert em suas áreas de atuação. O que se espera de um presidente é ponderação e bom senso.

O panelaço nada mais foi do que uma resposta das pessoas, entre elas, como dito alhures, até bolsonaristas, que estão enxergando não apenas a evolução da doença em nosso país, mas a crise financeira que virá como consequência, discordando da maneira que o presidente tratou inicialmente o coronavírus.

A meu ver - eleitor de Bolsonaro -, acho que o presidente deveria vestir as sandálias da humildade, pedir desculpas a toda população pela forma prematura e indelicada que tratou a pandemia do novo coronavírus antes de alcançar nossa nação e continuar tomando as medidas necessárias para minimizar as consequências desastrosas dessa doença.

Não está na hora de verificar qual panela apoia ou discorda do presidente, está na hora de nos unirmos em prol da população.

E não custa lembrar: presidente, peixe morre pela boca!


Publicidade