Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas EDITORIAL

Sínodo da Amazônia

O encontro terá o potencial de devolver a questão novamente às manchetes


postado em 06/10/2019 04:00

Começa hoje, em Roma, o Sínodo da Amazônia. Planejada há dois anos, a assembleia episcopal reveste-se de inédita atualidade. De um lado, debaterá temas espinhosos para a instituição. Entre eles, o celibato dos padres e o papel da mulher na tomada de decisões no seio da Igreja. De outro, discutirá assuntos externos. É o caso dos direitos indígenas e o papel da maior floresta tropical do mundo no contexto global.

A preocupação de Francisco com o meio ambiente é antiga. Em 2007, o então cardeal Jorge Mario Bergoglio já tratava abertamente da questão. No Vaticano, o interesse ganhou relevância e tomou corpo teológico na encíclica Laudato si, na qual reivindica o ambientalismo integral — ecologia que abrace também a dimensão humana e social levando em conta a essência do homem.

Em muitas abordagens, a posição do Vaticano contraria a do presidente Jair Bolsonaro, que vê nelas ingerência na soberania nacional. A respeito, o cardeal Cláudio Hummes, presidente da Rede Eclesiástica Pan-Amazônica (Repam) e participante do encontro, frisou: “Respeitamos a soberania do Brasil, mas a Igreja também está na Amazônia”.
O encontro, vale lembrar, é anterior à crise ambiental protagonizada pelo Planalto. Mas terá o potencial de devolver a questão novamente às manchetes. Gestado em Puerto Maldonado, no Peru, quando o papa visitou Lima e Santiago, em janeiro de 2018, o evento apontava para outro foco — os novos caminhos de evangelização nos confins do território verde que se estende por sete países.

Não por acaso, o sínodo tem o nome da região. Segundo o Instrumento de Trabalho — documento inicial de criação do evento —, a Amazônia tem especificidades que impõem um olhar diferenciado na ação católica: as imensas distâncias, a escassez crônica de sacerdotes e a importância das comunidades indígenas e sua cultura.

Possíveis soluções serão postas sobre a mesa. Entre elas, o estabelecimento de maior aproximação da fé católica com a das populações locais e o ensino da teologia tradicional indígena aos seminaristas da região. Também figurará nas considerações a incorporação de músicas, danças e idiomas indígenas na liturgia da missa.

Duas propostas devem desagradar ao prelado ultraconservador. Uma delas: o fim do celibato dos padres. A ordenação obedecerá a requisitos — pessoa idosa, de preferência indígena, respeitada e reconhecida pela comunidade mesmo que já tenha constituído família. A outra: o tipo de ministério oficial que pode ser conferido à mulher em razão do papel central que desempenha na Igreja amazônica.

Até 26 de outubro, quando se encerra o Sínodo da Amazônia, debates darão mais visibilidade ao assunto e aos demais temas da agenda. A assembleia servirá de laboratório. Talvez defina o papel da Igreja no século 21 ao encarar desafios incômodos tantas vezes adiados e de consequências  imprevisíveis.


Publicidade