Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Morte de inocentes e o enfrentamento da criminalidade


postado em 25/09/2019 04:00

Bady Curi Neto
Advogado, fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG)
 





Não resta dúvida de que a morte de qualquer inocente pela violência urbana é uma tragédia que comove toda sociedade, notadamente quando esse inocente é uma criança em tenra idade, que nada contribuiu para tal adversidade. 

Agatha Félix, de 8 anos, foi atingida por uma bala nas costas quando voltava para casa em uma Kombi no Complexo do Alemão, durante uma operação policial no Rio de Janeiro.

As versões dos fatos se contradizem. A polícia alega que, ao entrar na comunidade, fora recebida com tiros e passou a revidar. Familiares contestam e dizem que a menina foi atingida por um tiro de policial.

O avô, imbuído de emoção pela perda da neta, o que é mais do que natural, saiu apontando culpados, em uma tentativa inconsciente de amenizar sua perda dolorosa, na procura de justiça.

A verdade é que nem sequer houve tempo de fazer uma perícia balística ou investigação profunda, e a responsabilidade já recaiu sobre os ombros dos policiais. Estes despautérios são patrocinados e impostos pelos traficantes no intuito de colocar a população contra a presença da força do Estado em sua comunidade, para que atividades criminosas corram sem repressão.

Infelizmente, governantes, no passado, viraram as costas para essas comunidades, quase em um pacto de mediocridade, no qual os criminosos não desciam os morros e a força policial não subia, tornando ali território alijado do Estado, cujos donos eram os traficantes ou milicianos.

Deve-se fazer uma investigação séria no caso de Agatha. Saber se a polícia estava revidando tiros ou se, realmente, o que não acredito, saíram disparando a esmo. A sociedade e os familiares merecem essa resposta.

De outro lado, o que não se deve permitir é a mudança da política de enfrentamento contra o crime organizado, que tem demonstrado resultados positivos na redução da violência no estado do Rio de Janeiro.

Não é admissível uma comunidade refém da criminalidade em um Estado de direito, em que bandidos impõem toque de recolher, cobram para proteção etc., constrangendo os moradores pela bestialidade do terror.

Pergunta-se: por que nessas comunidades, quando há disputa por ponto de tráfico entre diferentes facções, com tiroteio por todos os lados e morte de pessoas inocentes, ninguém sai à rua para protestar contra a violência?  A resposta é simples: qualquer manifestação contra o interesse da criminalidade é punida com a morte do manifestante e seus familiares.

Da mesma forma, não vejo o pessoal dos direitos humanos se reunir para apoiar as famílias de policiais militares que são alvejados na guerra contra o crime, prática comum quando há morte de bandidos.

A triste e dolorida morte de Agatha, assim como de vários policiais mortos ou feridos em serviço, não pode ser apenas número de estatística da violência no Rio de Janeiro. Deve, ao contrário de algumas manifestações, ser corolário que a violência produzida pelo crime organizado deve ser extirpada daquelas comunidades pela força estatal.

Os números da diminuição de mortes violentas no Rio Janeiro, da ordem de 23%, provam que a política de segurança pública do enfrentamento da criminalidade traz melhor resultado do que a política da passividade com o crime.  Tenho dito. 


Publicidade