Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 14/07/2019 04:05

DEFESA
Educação e
tecnologia

Luciana Carneiro Alves
Brasília

"A internet e a tecnologia dos meios de comunicação representam, hoje, papel crucial na aprendizagem, no trabalho e nas relações pessoais. Permitir que a educação a distância (ED) chegue aos jovens por meio da educação básica, através de um ensino híbrido, é estabelecer uma comunicação entre o processo educacional e as novas ferramentas de comunicação e interação, que desenvolvem diversas habilidades e competências nos alunos, entre elas a autonomia, a capacidade de gerenciar o próprio tempo de estudo e de aprender a lidar com o universo das novas tecnologias. Além de ser uma possibilidade de inclusão e de chegar às regiões onde o ensino presencial não chega, a inclusão da modalidade ED na educação básica é cada vez mais discutida, por promover habilidades que hoje são tidas, inegavelmente, como essenciais. O avanço dessas tecnologias já ultrapassou as fronteiras das quatro paredes da sala de aula, e, com a ED, a escala da sala de aula virtual não se restringe mais ao território. Aliá-la ao currículo do ensino presencial pode contribuir para o avanço da escolarização e formação de jovens e adultos no Brasil. Teremos, assim, jovens antenados, escolarizados e que dominam as ferramentas digitais. Atualmente, a regulamentação da ED no Brasil leva essa modalidade a ser praticada nos mais diversos setores, seja no ensino superior, nas universidades abertas, nos treinamentos governamentais, nos cursos preparatórios, entre outros. Já na educação básica, essa modalidade de ensino é aplicada somente nas séries finais e em situações emergenciais, situação inversa na educação de jovens e adultos (EJA), no ensino médio e em cursos técnicos profissionalizantes."


ENEM
Teste digital é
posto em dúvida
 
Ângela Mathylde
Belo Horizonte

"O Ministério da Educação (MEC) anunciou uma versão digital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para 50 mil candidatos, que deverão ir até a escola fazer o teste, a partir do próximo ano. O piloto prevê uma digitalização gradativa até 2026, com mudanças significativas. O Enem digital é recebido com desafios expressivos e revela deficiências no sistema educacional. Para contextualizar esse diagnóstico, cabe mencionar a Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem, divulgada pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). A pesquisa aponta o uso de tecnologia em sala de aula, sendo que 73,5% dos alunos brasileiros tinham pelo menos um computador em casa, em 2012. Embora os valores sejam superiores aos últimos anos, foram considerados baixos quando comparados aos Estados Unidos (94,5%). Outro dado relevante é sobre a estrutura das escolas brasileiras. Enquanto a média dos países era de 4,7% de alunos por computador, esse número subiu para 22,1% no Brasil. Conforme números do  Censo Escolar 2018, do Inep, 20% das escolas públicas de ensino médio, no Brasil, não têm banda larga. O Censo Escolar 2018 ainda revelou que das 181,9 mil escolas, 16% não têm banheiro dentro do prédio; 26% não contam com acesso a água encanada; 49% não estão ligadas à rede de esgoto; e 21% não contam com coleta periódica de lixo. Apesar de o teste experimental ser realizado em apenas 15 capitais até 2026, o MEC pretende englobar todo o território nacional. Mas, como garantir locais com computadores, quando muitas escolas não têm sequer sistema de esgoto? Uma versão digital do Enem só será efetiva se o governo federal investir em equipamentos e acesso à informatização. Ao considerar a inclusão digital, enquanto instrumento de transformação social, o Enem digital pode, verdadeiramente, cumprir o propósito de democratização do teste."


FUNDO ELEITORAL
Valor duplicado
em plena crise

Humberto Schuwartz Soares
Vila Velha – ES

"O Legislativo brasileiro perdeu o juízo. Está insensível diante da caótica situação. Nossos políticos não estão nem aí. São 13 milhões de desempregados e as obrigações básicas como saúde, educação, transportes, segurança e infraestrutura precários, mas para eles está tudo às mil maravilhas. Em plena crise, em vez de cancelar ou reduzir significativamente o fundo eleitoral de R$ 1,7 bilhão, elevou para R$ 3,7 bilhões. Vê se pode? Parece mentira, mas é verdade."

l 'O errado fui eu': entregador que bateu em carro procura dono para se desculpar
“O proprietário do veículo, de forma inteligente, resolveu seguir seu rumo e assumir o prejuízo causado pelo Warley, ciclista entregador. Às vezes, entrar com um processo demora tempo, e dependendo do processo e custos, mesmo obtendo êxito na causa, você receberá em parcelas pífias que não correspondem ao tempo e gastos disponibilizados.”
n Paulo Luciano

“Alguém avisa esse cara que não adianta bater, fugir, refletir e se arrepender depois.”
n Luiz

“A atitude do rapaz foi nobre. Poderia não ter falado nada e deixado o prejuízo para o dono veículo, mas reconhecer o erro e corrigi-lo é uma atitude rara nos dias correntes.”
n O. N.


l Vereador mata prefeito a tiros por causa de porteira em lote

“Como dizia meu pai, 'esse aí caminhou em direção à morte'. O vereador avisou que estava armado.”
n Marcos Ramos

“Estão acabando com vidas por coisas banais.”
n Fábio Lopes

“Vai dar em nada... Vai alegar legítima defesa e pronto.”
n Geraldo Chanel

l Bombeiros resgatam jovem embriagado 'esquecido' em banheiro de boate

“Que situação! Espero que ele esteja bem.”
n Aleone Higidio

“Esse cumpriu o rolê com sucesso.”
n Rafael Sillva


Publicidade