Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Redes sociais podem nos levar à obesidade


postado em 23/06/2019 04:05

Análise recente feita por médicos do Instituto Corpometria, o primeiro centro de prevenção da cirurgia bariátrica no planeta, mostra que o mundo nunca fez tanta dieta quanto hoje. E, no entanto, a prevalência da obesidade continua aumentando, em uma velocidade similar às tentativas de dieta. Cerca de 45 milhões de americanos estão sempre no processo de dietas on-and-off. Essa aparente correlação paradoxal é baseada na suposição ilusória de que fazer dieta significa, automaticamente, perda de peso. Para a maioria, as dietas trarão ganho de peso mais compensatório.

Para entender a ligação entre dietas extremas e obesidade, devemos, primeiro, entender a influência maciça das mídias sociais na imagem corporal. A mídia social, particularmente o Instagram, têm uma correlação direta e estrita com a satisfação da imagem corporal autorreferida - de uma forma negativa. Quanto mais você estiver exposto à mídia social, menor a probabilidade de ficar feliz com suas curvas e tamanhos. Isso acontece porque o mundo das mídias sociais é um lugar selvagem no qual prevalecem fotos superpostas e falsas, enquanto a realidade é deixada para o mundo real. Como resultado, nunca ficamos tão infelizes como estamos agora.

Os gurus nutricionais da internet, raramente sendo profissionais ligados à saúde, são o tropismo mais forte para essa população insatisfeita e vulnerável. A relação um tanto patológica entre os viciados em mídia social, em grande parte frustrados, e seus influenciadores permitiu que dietas cada vez mais restritas se tornassem populares – e explicações pseudocientíficas frívolas satisfazem essa população com a abordagem retórica de seus ídolos da internet.

Um exemplo são os alimentos 100% integrais, incluindo pão e massa. Embora essas sejam ótimas fontes de carboidratos, com baixo índice glicêmico, alto teor de fibras e relativamente alto teor de proteínas, são consideradas "insalubres" devido ao seu teor de glúten. Apesar da escassez de dados científicos, uma enorme população de influenciadores digitais, blogueiros e seu público estão evitando o glúten a qualquer custo. Muitos outros alimentos foram "reclassificados" de saudáveis para opções não saudáveis pelo público geral da mídia social, sem nenhuma razão científica real.

Um estudo descobriu que apenas um dos nove principais blogueiros britânicos que faz alegações de gerenciamento de peso realmente forneceu informações precisas e confiáveis. Esse cenário é, provavelmente, semelhante em todo o mundo. Não queremos dizer que todos devem evitar as mídias sociais, mas saber como usá-las. Blogar seu processo de emagrecimento, por exemplo, pode potencializar os resultados, pois os blogueiros tendem a se sentir mais motivados com as expectativas de um público.

A alimentação saudável deve vir de uma melhoria natural da relação entre a comida e o indivíduo. A proibição aumenta o amor-ódio e as características viciantes do binging. Concluindo, dietas perigosas podem ser consideradas uma ação indireta de gritar pela crescente prevalência de insatisfação, ansiedade e depressão. Talvez, em vez de lutar contra os influenciadores da internet enganosos, devemos nos concentrar em entender por que isso está acontecendo e tentar ajudar a quebrar a motivação por trás do momento patológico dos extremos. Ser saudável não significa evitar para sempre os supostos "alimentos pouco saudáveis", mas a proporção entre seus momentos saudáveis e "não tão saudáveis".


Publicidade