Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Ser mãe: um desejo possível


postado em 08/05/2019 05:07


O primeiro Dia das Mães a gente nunca esquece. Principalmente se esse for um dia esperado por muitos anos. Só quem ouviu, durante muito tempo, que jamais poderia ter filhos é capaz de mensurar a alegria de um dia como esse, que será comemorado no próximo domingo. Graças às técnicas de reprodução assistida, mulheres com problemas para engravidar podem sonhar novamente. É gratificante ver o brilho nos olhos de quem ouve, pela primeira vez, o coraçãozinho do filho tão desejado.

Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), a infertilidade é a “incapacidade de conceber após, pelo menos, um ano de tentativas, sem o uso de métodos contraceptivos”. É comum que, em alguns casos, por falta de orientação, casais demorem muito tempo para buscar tratamentos e solucionar o problema.

Para a mulher, tempo é essencial. Após os 35 anos, existe uma perda natural e gradativa na qualidade dos óvulos, reduzindo as taxas de fecundidade. Percebendo a dificuldade, procurar um especialista rapidamente é fundamental. É comum também que, após uma primeira consulta, e um diagnóstico inicial, o casal desista de continuar tentando. Mas desistir não deveria ser a primeira opção.

Doenças como a síndrome dos ovários policísticos, endometriose e até obesidade podem causar infertilidade. Entretanto, em todas elas, dependendo do grau e da forma em que se apresentam, existe a possibilidade de gravidez!

Para a mulher, ouvir o diagnóstico de que não poderá ter filhos de formas naturais pode representar um choque, mas à medida que ela vai se inteirando sobre os tratamentos possíveis, sabendo que não é a única a viver aquele problema, as questões relativas à fertilidade começam a ser vista de forma mais leve.

Além das doenças, vários outros fatores podem desencadear a incapacidade de engravidar, como a exposição à poluição ou pesticidas, uso excessivo de cigarro ou álcool ou sequelas de doenças sexualmente transmissíveis (DST’s). Os tratamentos variam de acordo com a causa. Alterações no espermograma também pode ser o motivo da não-gravidez, por isso, após tentativas frustradas, é importante também pesquisar o parceiro, pois, nos casos de infertilidade, 40% das causas são femininas, 40% masculina e em 20% os dois parceiros apresentam algum problema.

A fertilização in vitro é o tratamento mais conhecido. Nesse caso, a fecundação é feita em laboratório e os embriões formados são transferidos para o útero. Para evitar a transmissão de determinadas doenças hereditárias, pode-se realizar um estudo genético pré-implantacional, que ajudará a selecionar o embrião saudável a ser transferido para o útero.

Podem também ser utilizados com sucesso procedimentos e técnicas simples, como indução da ovulação e coito programado ou procedimentos cirúrgicos. Em casos mais complexos, ou quando os tratamentos simples não são bem-sucedidos, as técnicas de reprodução assistida são as alternativas mais indicadas.

Após anos de tentativa, quando se descobre o tratamento ideal e a gravidez se torna finalmente realidade, o choro do bebê às três da manhã torna-se motivo de alegria.


Publicidade