Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Manter o corpo sempre hidratado

A maioria das pessoas não bebe água suficiente, acarretando desidratação


postado em 13/04/2019 05:04

 

 





Em tempos de dietas "da moda", facilmente disseminadas nas redes sociais ou mesmo indicadas por conhecidos, tempos nos quais alimentos milagrosos rapidamente se tornam vilões e vice-versa, uma recomendação permanece imutável: a ingestão de água. Muito além da preocupação dietética, a importância da água em nossa vida é bem conhecida por todos: ela corresponde de 60% a 70% da composição corporal, seja dentro ou fora das células, e é essencial para que todas as funções do nosso organismo consigam ser realizadas em harmonia.

A água é o principal componente do sangue e de todas as secreções. Ela também é responsável por transportar o oxigênio e os nutrientes para as células, mantém a temperatura corporal estável frente às variações ambientais e é imprescindível nos processos de digestão, absorção, excreção e demais reações metabólicas para o bom funcionamento do corpo. Ainda protege contra a formação de pedras nos rins e previne infecções urinárias.

Um grande avanço na evolução dos mamíferos foi a capacidade de concentrar e diluir a urina, a fim de conservar ou eliminar água, independentemente da disponibilidade desta. Eliminamos, em média, 200ml de água presente nas fezes, 100ml no suor e cerca de 700ml com as chamadas "perdas insensíveis" (majoritariamente representadas pelo vapor na respiração). Os rins saudáveis filtram cerca de 170 litros de água diariamente, carreando vários solutos que precisam ser eliminados. No entanto, mais de 99% desse volume é reabsorvido, também pelos rins, gerando, em média, 1.500ml a 2.000ml de urina para manter em equilíbrio a proporção do que entra e do que sai.

Assim, os vários sistemas interligados realizam um incessante trabalho para manter a estabilidade da composição química do organismo. Em condições climáticas habituais, um ser humano saudável deve ingerir entre dois e três litros de água todos os dias. A demanda aumenta quando consideramos os extremos da vida (crianças e idosos), gravidez e amamentação, temperaturas elevadas/exposição ao calor, ambientes com ar-condicionado ou aquecedores, uso de diuréticos, exercícios físicos, febre e perdas anormais, como vômitos e diarreia.

Um ser humano saudável consegue variar a ingestão de água entre 500ml até 16 litros por dia sem que ocorra qualquer dano. No entanto, isso não é válido se presente qualquer comprometimento de órgãos que participam desse equilíbrio, como problemas no coração, fígado ou rins, em que a retenção de água pode levar a inchaço, aumento da pressão arterial, sobrecarga cardiopulmonar e alterações neurológicas. O importante é manter um estado de hidratação adequada, proporcionando o bom funcionamento dos diversos sistemas do corpo. A maioria das pessoas não bebe água suficiente, acarretando desidratação. Os sintomas compreendem boca e nariz secos, urina escura e escassa, fraqueza, sonolência, dor de cabeça e até mesmo alterações do humor. Quando mais pronunciada, pode causar confusão mental, alucinações, torpor, coma e morte.

A sede é um aviso de que o corpo necessita de água e o melhor é não esperar que o corpo avise: mantenha-o sempre hidratado.


Publicidade