Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 24/03/2019 05:05

DECISÃO
Jornal não irá mais divulgar
imagens de crimes cruéis

Santelmo Xavier Filho
Belo Horizonte

"Até que enfim a imprensa, segundo a editoria Internacional, página 12, em 19/3/2019, começa a evitar propagar as ondas da criminalidade, deixando de publicar as fotos de meliantes autores de massacres. Recordo-me de que quando era engenheiro de segurança da Cimentos Liz-Soeicom, uma cidadã inglesa decepou o pênis de seu marido e o atirou pela janela. Poucos dias depois, em um sítio em Vespasiano, uma senhora mineira cometeu o mesmo tipo de ato insano, o que significa que a reverberação dessas ondas de violência geram atitudes múltiplas em diversos locais por parte de quem não tem estrutura mental para avaliar bem os fatos narrados na mídia. O jornal Estado de Minas evitará, desta forma, que os marginais causadores de problemas sociais de monta se tornem modelos a ser seguidos por outros psicopatas. A imprensa escrita ou televisionada cai no ridículo quando protesta quanto à militarização das escolas devido ao simples retorno de as crianças entoarem o Hino Nacional nas dependências escolares. Como
ex-docente em diversas escolas federais e particulares e em níveis médio e superior, tendo inclusive gerenciado a segurança patrimonial e do trabalho, assim como a área ambiental nos cargos de prefeito e de engenheiro civil e de segurança do trabalho, posso contribuir palestrando para que diretores de escolas públicas e particulares aprimorem a segurança em suas organizações. Ocorre, porém, que quando participei, a convite, da confecção de um projeto de orçamentação e planejamento plurianual, feito pela Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais (ALMG), deixei claro que as escolas não têm prevenção e combate a princípios de incêndio e nem quanto a furtos. Minha orientação nem sequer foi discutida e simplesmente sumiu da pauta. Vejo com pesar que até os postos de saúde estão à mercê. Que o diga o patrimônio histórico e artístico, como as igrejas de Ouro Preto, Mariana e demais cidades históricas mineiras. Pena, pois o povo elege sempre pessoas com pensamentos pobres em termos de preservação de nossa história, da educação, da saúde, da segurança e das tradições. Outra falha lamentável é a divulgação de estatísticas de pessoas mortas por armas de fogo, porém, omitindo quantas dessas armas foram realmente obtidas mediante processo formal de posse. Dessa forma, continuamos sempre mal informados. Dizem os sábios que pessoas mal informadas são muito piores do que as pessoas totalmente desinformadas, porque propagam notícias de que o galo canta, mas não identificam em qual terreiro!"


PREVIDÊNCIA
Reforma igual
para todos no país

Antonio Negrão de Sá
Rio de Janeiro

"'Meu pirão primeiro', trecho do samba de Bezerra da Silva. Ele retrata, claramente, a posição das Forças Armadas na reforma da Previdência. 'Se a farinha é pouca, meu pirão primeiro', ditado originário do cativeiro. Corporativismo é isso, austeridade para os outros e regalias para si. Serve para os políticos e o Judiciário, privilegiados nas aposentadorias e nos salários. Se a reforma adotasse, também, um texto separado para esses dois segmentos, com custos e benefícios, a sociedade teria como avaliar a falácia que representa essa preocupação com déficit público e a reforma para curar todos os males. Mas o maior explorador dessa reforma não está entre os servidores civis e militares, mas no sistema financeiro e seus aliados empresários."

COMUNISTA
Esquerda arrasou
com futuro do país

Benone Augusto de Paiva
São Paulo

"Em 12/3/19, eu ri muito ao ver e ouvir a declaração do ex-presidente comunista Fernando Henrique Cardoso (FHC) na televisão, ao ser entrevistado. Disse: 'Com tantos militares no poder, eu tenho medo de eles gostarem do governo e não querer sair mais'. FHC, eu me esbaldei com a sua opinião. Tenho certeza de que o seu medo é de os brasileiros não quererem mais o fim de um governo militar que não permitirá tanta corrupção, como foi nos 35 anos pós-militares com os esquerdistas, petistas e tucanos arrasando com a economia e os bons costumes do país."


Publicidade