Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Contribuições da indústria 4.0 na luta contra o câncer


postado em 23/02/2019 05:04

 







A todo instante surgem novas tecnologias e, cada vez mais, inovadoras e focadas em facilitar o dia a dia das pessoas, em âmbito pessoal e no ambiente profissional. E as contribuições são em diversas áreas, como transporte, indústria, agropecuária, educação e saúde.

 No campo da medicina, especialmente no caso do tratamento e na busca da cura completa e eficiente do câncer, considerado um dos maiores desafios da humanidade, as novas tecnologias já estão atuando para que a medicina tenha acesso a informações, cada vez mais precisas, que impactarão na qualidade e no aumento da expectativa de vida da população ao redor do mundo.

A indústria 4.0 e todas as suas novidades, ferramentas e estratégias, como a internet das coisas, big data, inteligência artificial (AI) e a realidade aumentada, estão levando a medicina a um novo patamar, em termos de procedimentos e novas possibilidades. Hoje, alguns pontos estratégicos, que eram vistos como gargalos, principalmente nos serviços públicos de saúde, já alcançaram soluções tecnológicas e estão gerando resultados visíveis para médicos e pacientes.

Problemas como a triagem ineficiente de pacientes e a falta de prioridades de urgências, além da demora no agendamento de consultas e do acesso aos resultados de exames, já são situações que estão sendo resolvidas pelas novas tecnologias. O prontuário eletrônico, disponibilizado gratuitamente pelo Ministério da Saúde, pode ser considerado uma das principais contribuições, nesse sentido.

A transmissão 100% digital dos dados, procedimentos realizados e dos resultados de exames dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), além de agilizar o acesso à informação, permite que o governo fiscalize, on-line, como está sendo investido o dinheiro do SUS. Com ele, também é possível verificar, em tempo real, a disponibilidade de medicamentos e o registro das visitas de agentes de saúde.

As tecnologias também estão trazendo e buscando melhorias e soluções para tratamentos, medicamentos e diagnósticos de doenças mais raras. Este ano, por exemplo, o hospital Hélio Angotti, referência no tratamento do câncer na região do Triângulo Mineiro, contará com o aparelho de radioterapia Clinac IX, reconhecido como um dos mais modernos do mundo. O equipamento é usado em tratamentos radioterápicos e tem novas técnicas de aplicação, como a radioterapia de intensidade modulada e a guiada por imagem, que reduzem os efeitos colaterais do tratamento de câncer e protegem os órgãos próximos, que não necessitam receber radiação.

Futuramente, algoritmos baseados em machine learning, que pode ser traduzido como "aprendizado de máquina", via inteligência artificial, saberão, com mais precisão, quais são as chances de uma pessoa se curar da doença. Outro exemplo é a inclusão dos genes alterados, que permite a realização de correções no DNA de um ser humano, aumentando, consideravelmente, as possibilidades de cura de vários tipos de câncer.

Entre todas as novidades trazidas pela Era 4.0, sem dúvida, uma das principais contribuições está na capacidade de armazenamento de dados, que serão analisados e entregues em tempo hábil. A medicina descobre, todos os dias, novas doenças e novidades sobre o organismo humano e essa atualização constante pode ser considerada um dos principais obstáculos para o ser humano, que armazena uma quantidade limitada de informações.

Dados apresentados pela médica e coordenadora de Healthcare Transformation da International Business Machines (IBM), empresa norte-americana da área de tecnologia da informação, Mariana Perroni, mostram que para se manter atualizado um oncologista gastaria, aproximadamente, 20 horas para ler tudo o que há de novo sobre a área. Com o uso da inteligência artificial, a leitura da sequência genética de uma pessoa com câncer cairia de 160 horas para apenas 15 minutos, considerando o prazo de uma semana. Uma diminuição considerável de tempo gasto pelo especialista, que poderá se dedicar a outros estudos e possibilidades.

Todas essas novidades apontam para um futuro que promete mais eficácia e certezas no combate ao câncer. Os benefícios trazidos pela Era 4.0 se apresentam como aliados do ser humano e, em especial, do profissional da saúde. A inteligência da máquina, sua precisão e agilidade, junto às pessoas e suas capacidades humanas, representam, hoje, a estratégia mais assertiva na busca pela melhoria da qualidade de vida com diagnósticos precisos e, consequentemente, a cura para atuais e novas doenças. 


Publicidade