Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 19/02/2019 05:07

HUMANidade
Assinante discorre
sobre a evolução

 
Mário A. Dente  
São Paulo

"Pelo calendário atual, estamos no ano 2019; pelo calendário real, estamos no ano 2 milhões ou 'zilhões'. Ninguém nunca saberá em que ano ou milênio estamos. Para se alimentar, o gênero humano assassina vários gêneros de animais como taurinos, suínos, ovinos, peixes etc. Antigamente, não havia ferramentas para plantar e colher vegetais e só comíamos frutas e raízes. Depois, descobrimos ferramentas para plantar e colher. Ferramentas e formas de matar animais com armas de madeira e depois de metal. Após a invenção das geladeiras, congelamos as carnes. Os animais e alimentos são nossos servos ou escravos. Roubamos suas vidas, carnes, leite e ovos. Depois de descobrir redes e anzóis, incluímos os peixes. Nos últimos séculos, com as invenções de motores a vapor, gasolina, ferrovias, rádios, TV e a descoberta da digitalização, os humanos perderam o reinado e passaram a ser servos da tecnologia, da qual dependem e obedecem."


SOCIEDADE
Economia, política
e Justiça ligadas


Antonio Negrão de Sá
Rio de Janeiro

"A capitulação de uma sociedade começa na economia, passa pela política e chega na Justiça. Esse é um ciclo natural, para o bem ou para o mal. Na economia capitalista atual, um modelo de crescimento cada vez mais concentrador de renda, onde a diferença cresce geometricamente entre ricos e pobres. Na política, a representação no Parlamento é preenchida pelos que têm mais poder econômico ou seus porta-vozes. A Justiça perde parâmetros e se acovarda aos poderosos, transformando o país numa 'terra sem lei'. Ocorre que isso tudo precisa ficar muito bem combinado na sociedade e entre os próprios, mas não é o que a história ensina."


LEGISLATIVO
Leitor comenta
troca de políticos


Fábio Moreira da Silva
Belo Horizonte

"O escritor americano Robert Greene, em sua obra As 48 leis do poder dada como amoral, instrutiva e maquiavélica, descreve o poder como um jogo que para saber jogá-lo é necessário precisão em todas as suas ações. Segundo o autor, aqueles que têm sucesso são os que controlam os padrões e os variam à vontade, mantendo as pessoas em desequilíbrio enquanto definem o tempo. O sucesso devido a um padrão faz com que esse padrão seja mantido, tentando seguir na mesma direção, sem parar para ver se esse é o melhor caminho. O resultado é o sucesso subir à cabeça, tornando os apostadores mais sensíveis às emoções e invulneráveis, com movimentos agressivos que acabam arruinando a vitória conquistada. Ora, em matéria intitulada 'Eles perderam o poder', o jornal O Estado de Minas, em 11/2/18, noticiou que, depois de três décadas ditando os rumos da política no país, MDB, PSDB e PT foram apeados não apenas da presidência das duas casas legislativas, Câmara e Senado, mas também dos cargos da mesa diretora da Câmara. Segundo a reportagem, é a primeira vez, desde a redemocratização, que as três siglas partidárias, que concentram o maior número de filiados, ficam de fora dos postos de comando da casa. Seguindo a estratégia de Greene, que padrão seria esse que manteve, por muito tempo, grandes caciques no poder das casas legislativas federais, senão um fisiologismo guiado pelo mais profundo toma-lá-dá-cá? É possível um governo de coalizão sem o uso desta prática, em meio à existência de tantas siglas partidárias? A queda de grandes barões no Senado e na Câmara é reflexo da renovação provocada pelas urnas, mas não quer dizer que será o fim das práticas fisiologistas e seu consequente aparelhamento político partidário. Mudam-se as 'cartas', porém é preciso atentar para os objetivos no jogo político partidário. Buscar o poder no intuito de se ter uma nação mais voltada para a diminuição das chamadas injustiças sociais ou buscar o poder simplesmente pelo poder, seja ele fisiológico, hegemônico partidário ou viés ideológico. Como diria o filósofo Nicolau Maquiavel (1468-1527): 'A política costuma ter pelo menos duas caras. A que se expõe aos olhos do público e a que transita nos bastidores do poder'."

Em.com

. VÍDEO DA PM MOSTRA BARRAGEM M RISCO EM MACACOS

"Há algum tempo uma barragem se rompeu neste mesmo local. Me lembro do acontecido, pois eu costumava fazer trilhas naquela região. Como ninguém fala nada sobre isso e eu nem sei se é a mesma barragem, gostaria que expusessem, aqui, pois, se for o caso, fica mais claro ainda o desleixo, inconsequência e irresponsabilidade no trato da situação. Sei que a memória do brasileiro é muito curta, mas alguns podem se lembrar, principalmente parentes das vítimas, que se não me engano foram apenas três pessoas. Muito pouco para ser levado em consideração e lembrado, não é?"
. Alex

"Quando descemos em direção ao distrito de Macacos, olhando para o lado esquerdo, podemos ver uma lagoa imensa. Sempre vou à cidade com amigos almoçar aos domingos, há muitos anos. Achava que era uma lagoa e não um mar de lama. A outra barragem que estourou, alguns anos atrás, ficava no começo da descida para Macacos. Fizeram até um viaduto no local devido ao tamanho do rombo. Achei que nunca mais algo parecido iria acontecer com São Sebastião (Macacos). Incrível o descaso."
. Eustaquio

"O que não dá para entender é o que está acontecendo com essas barragens. De repente, todas começaram a se romper como se fosse um efeito dominó. É preciso uma vistoria em todas elas. Urgentemente!"
. Agnaldo Teixeira
 
Facebook

. DEPUTADOS DE MINAS VÃO PERDER AUXÍLIO-MORADIA

"O salário que eles ganham paga tudo que precisam e o que não precisam. O trabalhador que ganha o salário mínimo para sobreviver é que precisa de auxílio-moradia, plano de saúde, faculdade para os filhos e tudo mais que um ser humano precisa para viver com dignidade."
n Cleo Gonçalves

"Não me iludo com essas notícias. Porque eles acabam criando um outro subsídio para continuar recebendo esse dinheiro."
. Hudson Freitas

"Enquanto isso, na minha cidade, os vereadores fizeram uma reunião extraordinária e aumentaram o salário deles."
. Luiza Helena Mendonça
 


Publicidade