Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Da osteoartrite no trabalho

As doenças reumáticas costumam resultar em limitações das atividades profissionais e cotidianas


postado em 13/02/2019 05:02

Cerca de 15 milhões de brasileiros já foram diagnosticados com alguma doença reumática, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo que, no conjunto das patologias agrupadas sob a designação de "reumatismo", a osteoartrite é a mais comum, representando, ainda, uma das principais causas de afastamento do trabalho. Segundo dados da Previdência Social, a osteoartrite responde por 7,5% dos afastamentos, ocupando o segundo lugar no ranking das causas de auxílio-doença (afastamento prorrogado) e o quarto lugar nas justificativas de aposentadoria por invalidez.

A osteoartrite, também conhecida como artrose, é a degeneração da cartilagem que recobre a superfície óssea das articulações e que pode levar à incapacidade funcional progressiva. O principal sintoma é dor nas articulações atingidas, causada pelo atrito entre os ossos. No início, as dores costumam aparecer apenas quando há sobrecarga na articulação acometida, mas, com a progressão do caso, a pessoa começa a ter dificuldades de executar, até mesmo, movimentos comuns do cotidiano. O inchaço e a rigidez nas juntas, principalmente na parte da manhã, também podem ser sinais de osteoartrite, que dura no máximo 20 minutos e melhora com o movimento.

A incidência da doença é maior entre mulheres e aumenta com o passar dos anos. Esforço físico repetitivo, hereditariedade, sobrepeso e danos ou traumas nas articulações também estão entre os fatores de risco. A osteoartrite de joelhos e mãos é mais comum no sexo feminino e a osteoartrite coxofemoral (do fêmur com o quadril) é mais frequente no sexo masculino.

A diminuição da força muscular e as dores constantes durante os movimentos causam prejuízos nas atividades diárias, com consequências negativas na vida profissional. Quando a condição clínica que impõe a limitação é constatada pelo médico reumatologista e o perito, recomenda-se que a pessoa seja afastada de suas obrigações laborais. Entretanto, o simples diagnóstico da osteoartrite não determina esse direito. É necessário avaliar cada caso individualmente, de acordo com sua gravidade.

O diagnóstico é feito pelo médico reumatologista baseado no histórico clínico, exame físico e exames complementares, como radiografias ou ressonância magnética. O tratamento envolve remédios para dor, fisioterapia e, dependendo do paciente, é recomendada também a perda de peso e o fortalecimento da musculatura em torno da junta acometida. A prática regular de atividade física moderada ajuda na prevenção da osteoartrite, prevenindo a sobrecarga articular e a obesidade.

As doenças reumáticas costumam resultar em limitações das atividades profissionais e cotidianas e, consequentemente, sobrecarregam significativamente o sistema previdenciário brasileiro. Contudo, é fundamental que os trabalhadores com osteoartrite tenham assegurado o direito ao afastamento do trabalho quando necessário, para que possam se recuperar em poucos meses e assim viver com qualidade. 

 


Publicidade