Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 07/02/2019 05:07

 





cartas:



VALE
Impactos negativos na economia dos municípios

Fábio Moreira da Silva
Belo Horizonte

"Grandes empresas costumam funcionar como uma espécie de locomotiva para alguns pequenos centros nos quais elas atuam. Na carona desses negócios, outros empreendimentos surgem, como em cidades vizinhas, trazendo consigo mais investimentos e o crescimento populacional, econômico e social. Porém, há um certo grau de risco de crise econômica que municípios de Minas Gerais enfrentam por depender de uma única empresa ou negócio para contabilizar suas receitas. Como exemplo, Mariana (MG), dependente da mineração, vive hoje uma série de incertezas sobre o futuro do município depois do rompimento da Barragem do Fundão, que deixou 19 mortos, no maior desastre ambiental do país, há três anos. Não muito diferente disso estará o município de Brumadinho, que, em decorrência do recente desastre humano e ambiental, sofrerá com as perdas econômicas. Cabendo ressaltar que o maior dos prejuízos estará com a sociedade, sendo este já considerado o maior desastre humano, devido às perdas de mais de uma centena de vidas. De acordo com a matéria do jornal  Estado de Minas intitulada ‘Ações apenas depois da segunda catástrofe’, a mineradora Vale decidiu paralisar dois complexos minerários em Minas Gerais e reintegrar ao meio ambiente 10 represas, em um processo chamado descomissionamento. A lista inclui a estrutura que se rompeu na cidade da Grande BH e contempla reservatórios sob responsabilidade da companhia que usam tecnologia semelhante, a de alteamento a montante, considerada a mais barata e mais perigosa. Ora, há um ditado antigo que diz: em investimentos, não devemos colocar os ovos em uma mesma cesta. A diversificação seria uma maneira de minimizar os riscos. Ao longo das últimas décadas, políticas de incentivo ou benefícios fiscais foram artifícios para muitos municípios atraírem empresas e investimentos. Tendo como objetivo promover o desenvolvimento de atividades, sejam elas de segmentos da economia regionais ou não, os incentivos culminaram na chamada guerra fiscal, prática exacerbada, na qual municípios disputam grandes empreendimentos particulares em troca de isenção fiscal de impostos. Porém, muitos desses incentivos fiscais já se revelaram um verdadeiro tiro no próprio pé de estados e municípios. O desafio para os nossos governantes é atrair esses empreendimento sem abrir mão de uma arrecadação capaz de desenvolver uma estrutura local segura e, sobretudo, melhoria na condição social da população. A suspensão dos trabalhos da Vale nos municípios trará prejuízos econômicos futuros, mas a perda de centenas de vidas em Brumadinho é irrecuperável para as famílias que perderam seus entes."


DÉFICIT PÚBLICO
Clareza a respeito do
controle de verbas

Uriel Villas Boas
São Paulo

"Os déficits nos orçamentos públicos são constantes e se espalham pelos municípios, estados e o governo federal. E, com isso, verbas são ameaçadas de não ser liberadas, aumentando ainda mais o drama na área da saúde, educação, sistema habitacional e obras maior, como pontes e e para o sistema rodoviário. Como entender, então, que ilegalidades sejam constatadas em desvio de verbas, os mais diversos, nas licitações e concorrências em obras públicas, muitas delas, inclusive, com interesses nitidamente políticos? Como aceitar os critérios adotados? Quem toma as decisões, quem elabora os procedimentos em termos funcionais, quem aprova as contratações? E mais, como é caracterizado o conceito das empresas participantes? E, por fim, comprovadas as irregularidades, as verbas dispendidas ainda serão devolvidas? Os mesmos empresários continuarão participando dessas transações? Quando, efetivamente, teremos um efetivo controle das verbas oriundas das contribuições dos mais diferentes segmentos sociais?"



internet



Vale se compromete a pagar salário de janeiro de funcionários da mina em Brumadinho 

"Não faz mais que a obrigação. Entendo que deveriam pagar para todos, mortos, encontrados e desaparecidos, até que a situação jurídica seja resolvida."
. @sapadormineiro  

"Essa conta é da Vale com a família."
. Renato Silva  

Vale quer aumentar produção
a seco para 70% até 2023
"Primeiro matou o Rio Doce, agora matou o Rio Paraopeba. Prejuízo para todos os brasileiros por quantos anos?"
. @arlorland

"Tem que ser 100% seco a partir de ontem. A lama das barragens existentes segue para reciclagem de tijolos. Tem estudo em Minas sobre isso."
. Tereza da Silva  



Vale se compromete a pagar salário de janeiro de funcionários da mina em Brumadinho
"Não fazem mais que obrigação."
. Danilo Silveira  

"Direito é direito. Isso não é favor."
. Mari Fênix

"Mas por que não deveria pagar? A culpa não foi dos funcionários..."
. Luis Felipe Corullón

"Como é bondosa esta Vale... (contém ironia)"
. Paula Garcia

"Tem que pagar mesmo. Ainda acho que deveria pagar em dobro."
. Eloisa Mângia Gouvêa 

"Tem que pagar o salário de todos os atingidos por essa covardia. Não só em janeiro, mas sim o ano todo."
. Antonio Fátima Carvalho 

"Não há dinheiro que pague! Deveriam fechar todas as unidades
com barragens. Enquanto não houver 90% de certeza da
segurança garantida para a vida dos trabalhares, não
deveria voltar às atividades."
. Ícaro Augusto  

 


Publicidade