Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Tecnologia inova plástica de nariz


postado em 15/12/2018 05:04




A rinoplastia evoluiu muito na última década ao deixar de ser uma cirurgia restrita à retirada de tecido do nariz e feita, praticamente, às cegas, para se tornar um procedimento de estruturação e delicadeza com diversas possibilidades e tratamento para qualquer tipo de nariz. A remodelação do nariz é uma das cirurgias plásticas mais procuradas no Brasil. Estudo da Academia Americana de Cirurgia Plástica e Reconstrutora Facial revelou aumento de 10% na demanda, decorrente de pessoas que se preocupam com a aparência em selfies nas redes sociais. Em 2015, foram realizadas 1,5 milhão de cirurgias plásticas no Brasil, com a rinoplastia no 4º lugar.

O procedimento é uma microcirurgia feita com lupas de grande aumento para a correção de cada pequena imperfeição, propiciando um contorno de pele suave e bonito, preservando e melhorando a função respiratória. O piezo é resultado da inovação para garantir uma precisão milimétrica de corte e modelação das estruturas nasais. A tecnologia de corte e modelagem ultrassônica dessa nova técnica gera uma maior precisão e segurança à rinoplastia e outros procedimentos médicos. O processo deixou a cirurgia menos traumática e mais eficiente. O pós-operatório ficou menos incômodo, com a redução dos hematomas e o menor tempo de edema.

O piezo também aumentou muito as possibilidades cirúrgicas, como novos enxertos, melhor tratamento do septo e técnicas refinadas, como a osteoplastia (em lugar das tradicionais fraturas) e os estabilizadores ósseos, conseguindo, assim, melhores resultados para um número maior de pessoas e por longo prazo, inclusive nas rinoplastias secundárias.

O processo italiano usa um bisturi piezoelétrico especial para o corte ósseo, permitindo operar com maior precisão sobre o osso e a cartilagem, sem impacto e com menor traumatismo. O equipamento proporciona o uso de recursos cirúrgicos, antes inviáveis, como enxertos especiais, melhorando o resultado estético e a função respiratória a médio e longo prazo. O procedimento é menos traumático e invasivo, sendo um importante resultado de várias pesquisas da medicina estética por alternativas para correções do nariz com menores desconfortos.

A cirurgia é indicada para quem quer mais harmonia facial e melhoria na função respiratória, sendo possível remodelar o perfil, o formato da ponta, o tamanho, a projeção e, até mesmo, a largura nasal. Em vários casos, até doenças como a rinite e a sinusite podem ser melhoradas com a cirurgia.

O resultado com o piezo reduz o sangramento, a aparição de hematomas e de inflamações, propiciando uma recuperação mais tranquila e menos dolorosa, permitindo o retorno mais rápido às atividades normais. A aparência do nariz sem inchaço na rinoplastia tradicional somente pode ser percebida a partir de seis meses e, na ultrassônica, o resultado começa a aparecer já no quarto mês. É fundamental refletir sobre os objetivos com a cirurgia, consultar um cirurgião credenciado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, esclarecer as dúvidas, fazer os exames pré-operatórios e identificar um hospital qualificado para o procedimento.


Publicidade