Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Dividendos da inclusão

Gestão focada na diversidade das equipes, ancorada no respeito e na equidade traz vantagens competitivas mensuráveis para as corporações


postado em 27/11/2018 05:19

Um dos grandes desafios das corporações no mundo contemporâneo é romper a esfera discursiva e pautar a temática da diversidade e da inclusão em sua agenda estratégica. Ações nesse sentido podem demandar mudanças culturais profundas, o que nem sempre é um processo trivial. Por que, então, é fundamental investir na gestão inclusiva, valorizando a diversidade e o respeito às relações humanas no ambiente de trabalho? Os argumentos e justificativas vão muito além do ímpeto de justiça social e fogem, também, dos riscos superficiais que rondam os clichês do "politicamente correto". Inclusão e diversidade são ferramentas que trazem vantagens competitivas. Ou seja, rendem dividendos.

Um ambiente produtivo formado por equipes diversas, pautado no respeito e na equidade, gera valores mensuráveis para as companhias. E isso se reflete nos indicadores de inovação, segurança, rentabilidade, retenção de talentos e outros. Reconhecer e valorizar as diferenças deixou de ser uma escolha e passou a ser uma premissa da gestão eficiente.

Pesquisa internacional da Mckinsey (2017) mostra que as empresas no quartil superior para diversidade de gênero em suas equipes executivas são 21% mais propensas a ter lucratividade acima da média do que aquelas no quartil inferior. Com relação à diversidade étnica e cultural, os dados indicam 35% de probabilidade de performance superior na margem Ebitda do que as companhias com baixa adesão a esses valores.

A inovação é um dos indicadores mais evidentes nas pesquisas. Empresas com práticas de diversidade e inclusão chegam a produzir dois lançamentos de produtos a mais que aquelas que ainda negligenciam essas questões, mostra estudo da Universidade do Estado da Carolina do Norte e da Portland, publicado este ano na conceituada revista acadêmica Financial Management.

Com esses fundamentos, que consideram o respeito às pessoas como um valor da companhia, a Anglo American lançou o programa Everyone, implantado em todos os países onde a empresa atua. Para o grupo, diversidade é reconhecer a singularidade de cada indivíduo– seus pensamentos, crenças, contribuições e perspectivas. A ideia é que a inclusão é uma escolha que resulta em um ambiente de trabalho seguro e positivo, onde cada indivíduo é valorizado pelas suas características e tem condições de desenvolver seu potencial.

Para a construção dessa realidade, a Anglo American no Brasil transforma discurso em ações que já começaram a definir sua agenda estratégica. Este ano, realizou o EveryoneDay. Presidente, diretores, equipes completas em todas as unidades, com a facilitação dos mais renomados consultores das áreas relacionados aos temas, refletiram e debateram, de maneira intensa, questões de gênero, orientação sexual, raça, etnia e deficiência. Contaram, ainda, com depoimentos de funcionários homossexuais, mulheres, negros e pessoas com deficiência, que compartilharam suas vivências e desafios no ambiente corporativo.

Paralelamente, foram iniciados grupos focais para discussão de temas relacionados à equidade de gênero nas diversas unidades da empresa no Brasil. Cerca de 200 mulheres estão envolvidas nessas discussões que, agora, também envolvem os homens da organização. O objetivo é que, por meio do diálogo, possamos construir conhecimento acerca das desigualdades que rondam as relações profissionais. Além disso, queremos que as propostas de soluções e iniciativas em prol da equidade de gênero possam emergir de dentro para fora da empresa, num processo genuíno de aprendizado mútuo. Avaliando esse primeiro encontro, concluímos que estamos no caminho certo. Quebrando paradigmas, inclusive, no setor da mineração.

Nesse cenário, já entramos na lista das companhias que poderão mensurar os benefícios da diversidade e da inclusão em seus resultados operacionais. Mas, claro, ainda há muito por fazer no ambiente corporativo. Afinal, a sociedade é dinâmica e se torna cada vez mais rica quando reconhece na diversidade e na equidade valores que são direito de todos. Estamos só começando.


Publicidade