Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espaço do leitor


postado em 20/11/2018 05:05

MOBILIDADE
Nova tarifa do
metrô de BH

Fábio Moreira da Silva
Belo Horizonte

"Inaugurado em 1863, o lendário metrô de Londres tem 408 quilômetros de extensão e já foi considerado o maior do mundo. Perdeu esse título ao ser superado, nos últimos anos, por outros metrôs, como os chineses de Xangai e Pequim, que, somados, beiram os 1 mil quilômetros de linha férrea e carris. No Brasil, como não poderia deixar de ser, o título do metrô mais extenso fica com o da capital de São Paulo, com 90 quilômetros de rede, dividida em seis linhas, sendo sua primeira viagem realizada em 1972. Óbvio que um trem metropolitano não deve ser avaliado somente pela sua extensão. Fatores como conforto, preço e tempo de espera dos passageiros devem ser sempre analisados. Dito isso, e guardadas as devidas proporções históricas, econômicas e populacionais, chegaremos ao metrô de Belo Horizonte e à polêmica sobre a tarifa a ser cobrada dos usuários. A Justiça Federal suspendeu, novamente, o aumento da tarifa do metrô, que havia subido de R$ 1,80 para R$ 3,40, depois de decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Um embate entre o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). Se os representantes da Justiça ressaltam o impacto ao orçamento da população, a empresa gestora do metrô justifica que o último reajuste do metrô de Belo Horizonte ocorreu em dezembro de 2006, há 12 anos, sendo fundamental para dar continuidade à operação e manutenção do serviço prestado. Ora, informações dos últimos anos dão conta de que no balanço do Programa de Aceleração do Crescimento nenhuma obra foi voltada para a mobilidade viária em Minas Gerais. Motivo: os baixos investimentos, com recursos aquém do necessário. Por enquanto, a única boa notícia mesmo, se é que pode ser considerada assim, foi esta manutenção da tarifa cobrada atualmente dos passageiros do metrô belo-horizontino, que, com seus 28 quilômetros de extensão, fica sempre no fim da fila dos investimentos. O que levaria cidades menores que a capital mineira a usufruír de verbas maiores? Criado em 1º de agosto de 1986, o metrô de Belo Horizonte cresceu pouco. O poder político, na hora de as verbas serem liberadas, sempre teve um peso enorme em detrimento dos projetos e estudos. Desde sua criação, o metrô sempre teve vocação de ser um cabo eleitoral, em ano de eleição. Pois bem, perguntaríamos agora: qual a ligação que o metrô de BH tem com o trem dos londrinos e dos chineses?. Nenhuma. A ilustração vale somente para dizer que, no Brasil, não se valoriza o primordial para a mobilidade urbana, como em outros países, o transporte de pessoas por trem. Pagar alto preço por esses serviços, quando de má qualidade e desconfortáveis, deve ser sempre também um dos questionamentos não só do Judiciário, mas, sobretudo, da população."

SAÚDE
Cidadão comenta sobre
o projeto Mais médicos

Mário A. Dente
São Paulo

"O caso dos vencimentos do 'Mais médicos', em que os hermanos Castro ficavam com 70% do que o governo Dilma pagava com o dinheiro dos brasileiros, enquanto os 'médicos cubanos', sem prestar exame de revalidação, ficavam com 30%, mostra que todos os ditadores são escravocratas e só agem para satisfazer seus próprios interesses. Acham que o povo tem obrigação de trabalhar e eles têm o direito de ficar com os ganhos."

apoio
Opinião sobre
médicos cubanos

Benone Augusto de Paiva
São Paulo

"Parabéns ao novo presidente eleito do Brasil, Jair Messias Bolsonaro! Ainda nem tomou posse e contestou o trabalho escravo dos médicos cubanos que vinha sendo mantido, silenciosamente, no Brasil, a pedido da ditadura comunista cubana e implantado contra as nossas leis pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT), e com vistas grossas da ONU e das autoridades responsáveis pela fiscalização trabalhista e dos
direitos humanos no país."


Publicidade