Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Crise fiscal em MG prejudica serviços públicos


postado em 28/10/2018 05:04

Mi­nas Ge­rais pas­sa por uma gra­ve cri­se fis­cal. Des­de 2016, se­gun­do da­dos do Ranking de Com­pe­ti­ti­vi­da­de dos Es­ta­dos, Mi­nas apre­sen­tou uma pio­ra em seu de­sem­pe­nho, cain­do da 23ª pa­ra a 26ª po­si­ção no pi­lar de so­li­dez fis­cal en­tre os es­ta­dos da Fe­de­ra­ção. Es­sa de­te­rio­ra­ção nos in­di­ca­do­res ma­croe­co­nô­mi­cos pre­ju­di­ca a en­tre­ga de ser­vi­ços es­sen­ciais à po­pu­la­ção e li­mi­ta o po­der de atua­ção do go­ver­no.
Ao ob­ser­var os in­di­ca­do­res que com­põem o pi­lar de so­li­dez fis­cal do ranking, no­ta-se que, em­bo­ra o es­ta­do te­nha con­se­gui­do apre­sen­tar me­lho­ra em al­guns as­pec­tos, pre­va­le­ceu o ce­ná­rio ne­ga­ti­vo nos da­dos fis­cais do es­ta­do. Co­mo cla­ro exem­plo dis­so, po­de-se no­tar o in­di­ca­dor de ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­to, que des­de o iní­cio da ges­tão atual evi­den­ciou cons­tan­tes que­das, pas­san­do da 22ª pa­ra a 25ª po­si­ção, ex­pli­ci­tan­do a gra­ve cri­se que as­so­la o es­ta­do.
Mi­nas  apre­sen­tou, na úl­ti­ma dé­ca­da, um gran­de cres­ci­men­to em des­pe­sas com pes­soal ati­vo. Des­de 2009 até 2017, cons­ta­ta-se que a fo­lha de pa­ga­men­tos au­men­tou 163%, en­quan­to o pa­ga­men­to de ina­ti­vos au­men­tou ain­da mais in­ten­sa­men­te, cer­ca de 233%. Es­se fa­tor afe­ta di­re­ta­men­te a ca­pa­ci­da­de de in­ves­ti­men­to de um es­ta­do, já que com uma gran­de par­ce­la de suas re­cei­tas es­tan­do em­pe­nha­das no qua­dro de pes­soal, es­se aca­ba ten­do pou­ca bre­cha pa­ra no­vos in­ves­ti­men­tos, prin­ci­pal­men­te quan­do as re­cei­tas não acom­pa­nham o rit­mo de cres­ci­men­to das des­pe­sas.
A ma­nu­ten­ção do es­ta­do na 25ª po­si­ção no in­di­ca­dor de sol­vên­cia fis­cal in­di­ca a di­fi­cul­da­de en­con­tra­da pe­lo go­ver­no pa­ra equa­li­zar suas con­tas. A má po­si­ção tra­duz que o es­ta­do apre­sen­tou, de ma­nei­ra con­tí­nua ao lon­go dos úl­ti­mos qua­tro anos, al­tos ín­di­ces de en­di­vi­da­men­to lí­qui­do quan­do es­se é com­pa­ra­do às re­cei­tas, che­gan­do à ca­sa dos 186%.
O or­ça­men­to com­pro­me­ti­do faz com que os ser­vi­ços bá­si­cos do es­ta­do fa­lhem. A saú­de mi­nei­ra não en­tre­ga os ser­vi­ços ne­ces­sá­rios pa­ra a po­pu­la­ção e os ser­vi­do­res pú­bli­cos aca­bam por re­ce­ber seus sa­lá­rios de for­ma par­ce­la­da.
Ain­da as­sim, Mi­nas con­se­guiu apre­sen­tar uma me­lho­ra con­si­de­rá­vel no que­si­to de re­sul­ta­do no­mi­nal, que re­pre­sen­ta a di­fe­ren­ça en­tre o agre­ga­do de re­cei­tas to­tais (in­clu­si­ve de apli­ca­ções fi­nan­cei­ras) e de des­pe­sas to­tais (in­clu­si­ve des­pe­sas com ju­ros), pas­san­do da 25ª pa­ra a 3ª po­si­ção en­tre os es­ta­dos bra­si­lei­ros. Tal fa­to se de­ve, prin­ci­pal­men­te, à ade­são ao pla­no de au­xí­lio dos es­ta­dos pro­pos­to pe­lo go­ver­no fe­de­ral e o con­se­quen­te alon­ga­men­to do pa­ga­men­to das dí­vi­das com a União. Per­ce­be-se, en­tre­tan­to, que o or­ça­men­to es­ta­dual con­ti­nua apre­sen­tan­do gran­des de­se­qui­lí­brios.
Em con­tra­par­ti­da, o es­ta­do re­tro­ce­deu no re­sul­ta­do pri­má­rio, cain­do se­te po­si­ções nos úl­ti­mos dois anos. In­di­ca­dor res­pon­sá­vel por de­mons­trar a di­fe­ren­ça en­tre re­cei­tas e des­pe­sas do go­ver­no, ex­cluin­do-se da con­ta as re­cei­tas e des­pe­sas com ju­ros, es­se cons­ta­tou que o es­ta­do gas­ta mais do que ar­re­ca­da, apre­sen­tan­do um dé­fi­cit pri­má­rio cres­cen­te des­de 2015, che­gan­do a 1,09% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) em 2017.
O de­se­qui­lí­brio das con­tas pú­bli­cas de um es­ta­do apre­sen­ta um im­pac­to di­re­to no dia a dia da po­pu­la­ção, pre­ju­di­can­do a ca­pa­ci­da­de do go­ver­no de en­tre­gar ser­vi­ços de qua­li­da­de pa­ra a po­pu­la­ção e in­ves­tir em áreas es­tra­té­gi­cas pa­ra a so­cie­da­de, além de pre­ju­di­car de for­ma ge­ral o de­sem­pe­nho do ser­vi­dor pú­bli­co em suas fun­ções.
A ques­tão fis­cal tor­nou-se prio­ri­da­de em um país com gra­ves des­com­pas­sos en­tre ar­re­ca­da­ção e des­pe­sa. O equi­lí­brio das con­tas pú­bli­cas é fun­da­men­tal pa­ra que o es­ta­do se­ja sus­ten­tá­vel e pos­sa en­tre­gar ser­vi­ços efi­ca­zes, efe­ti­vos e efi­cien­tes pa­ra a po­pu­la­ção. Mi­nas Ge­rais é um exem­plo, en­tre mui­tos ou­tros es­ta­dos bra­si­lei­ros, de co­mo é re­le­van­te a res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal pa­ra aten­der às ne­ces­si­da­des bá­si­cas da so­cie­da­de. O pró­xi­mo go­ver­nan­te te­rá de ter en­tre suas prio­ri­da­des, im­pre­te­ri­vel­men­te, uma agen­da de equa­li­za­ção das fi­nan­ças es­ta­duais.


Publicidade