Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID-19: Escassez e atrasos podem parar vacinação em abril

Mesmo tendo atingido a meta de um milhão de vacinados ao dia por três vezes, manter a média é impossível sem fluxo de entrega constante da matéria-prima


11/04/2021 09:43

(foto: LOIC VENANCE / AFP)
(foto: LOIC VENANCE / AFP)
Com a escassez de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para a fabricação de vacinas e os atrasos nas importações, os planos do governo federal de imunizar maciçamente a população contra a COVID-19 ficaram ainda mais distantes. Mesmo tendo atingido a meta de um milhão de vacinados ao dia por três vezes, manter a média é impossível sem fluxo de entrega constante da matéria-prima, o que tem preocupado gestores locais quanto à disponibilidade de doses para garantir a injeção de reforço. Especialistas alertam que tais dificuldades dão a janela de oportunidade que o vírus tem para desenvolver variantes mais poderosas e refratárias às vacinas disponíveis, levando o país a um ciclo de novas ondas.

“Mutações, quando favoráveis, representam mais um mecanismo de escape para o vírus. Quanto mais oportunidades ele encontra para se reproduzir, mais chances tem de chegar a essas variações cada vez mais bem adaptadas ao corpo humano”, explica o pesquisador e virologista Felipe Naveca, vice-diretor de Pesquisa e Inovação do Instituto Leônidas & Maria Deane, da Fiocruz Amazônia.
Permitir que a COVID-19 se desenvolva pode “afetar futuramente as vacinas”, alerta o virologista, frisando que, por ora, não há indícios de que os imunizantes utilizados no país sejam ineficientes contra novas cepas. “Mas é uma preocupação e não sabemos as consequências disso mais para frente”, frisa.

O problema atual, na avaliação do especialista em gestão de Saúde da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Walter Cintra, continua sendo um desdobramento das escolhas iniciais das autoridades de como encarar a pandemia. “Temos vários problemas nesta campanha de vacinação, decorrentes da postura negacionista do governo federal, que deixou de tomar as medidas necessárias no tempo certo, além de criar dificuldades para governos municipais e estaduais”, aponta.

Cintra afirma que faltou, da parte do Ministério da Saúde, assumir a coordenação da campanha contra a pandemia, especialmente no que se refere aos contratos com produtores de vacinas. “De antemão, era sabido que precisaríamos de uma grande quantidade de vacina, em razão do tamanho da nossa população. Há uma corrida mundial pela vacina, e o Brasil demorou para se mexer”, diz.

Para ele, as apostas foram feitas às avessas. “O Brasil fez parte do consórcio que financiou a Covaxin, produzida pela Índia, mas deixou de tratar com outros fabricantes, como a Pfizer e a Johnson & Johnson. Com isso, ficamos com poucas opções”, observa.

Na visão do especialista, o viés político e tom discriminatório entre as vacinas pelo governo trouxe esse descompasso, de forma que se atrasou a possibilidade de entrega de candidatas que já poderiam ser aplicadas, por possuírem aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) — como é o caso da Pfizer e da vacina da Janssen. Por isso, o descrédito do Ministério da Saúde junto aos governadores e prefeitos, “reticentes em usar todas as vacinas para a primeira dose e correr o risco de ficarem sem a segunda para aplicar, o que poria a perder a vacinação”, diz Cintra.


Poucas garantias e muitas esperanças


CoronaVac (Instituto Butantan)
Entregou 2 milhões de doses e tem mais 3,2 milhões garantidas, a partir do IFA de remessa anterior. Caso a chegada de mais 3 mil litros de IFA se confirme, nesta semana, mais 5 milhões podem ser liberadas. O total para o mês fica em, no máximo, 10,2 milhões de vacinas, o que cumpre o cronograma com o Ministério da Saúde. Mas é menos da metade do quantitativo de março, quando foram entregues 22,7 milhões.

Covishield (Fundação Oswaldo Cruz)
Depois de enfrentar problemas operacionais e atrasos na entrega de IFA, a nova previsão de entrega é de 18,4 milhões de doses ao ministério. Inicialmente, a promessa era de 27 milhões para o mês. Mas, por enquanto, foram liberados 2,6 milhões, a partir de matéria-prima importada.

Comirnaty (Pfizer)
Apesar de o contrato ser para o fornecimento de 100 milhões de doses e já haver autorização de uso no Brasil, a farmacêutica assumiu o compromisso de entregar 1 milhão de doses este mês.

Covishield (Instituto Serum, Índia)
Contratualmente, há a previsão de fornecer, em abril, 2 milhões de doses. Mas há um impasse diplomático ainda não superado.

Sputnik V (Instituto Gamayea, Rússia)
Sem autorização para uso emergencial, aguarda o aval da Anvisa para a vinda de doses prontas. São 2 milhões por contrato com estados, mais 400 mil pelo acordo com o Ministério da Saúde. Toda a remessa será incorporada ao Plano Nacional de Imunização.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade