Publicidade

Estado de Minas APOIO AOS CIENTISTAS

Vacina contra COVID-19: Fiocruz recebe doação de R$ 100 mi para ampliar controle de qualidade

Recurso vem de grupo de empresas e fundações. Pesquisa é conduzida pela Oxford no Brasil, que está na fase 3


07/08/2020 22:41 - atualizado 07/08/2020 22:47

A pesquisa está na chamada fase 3 do processo de produção.(foto: Thibault Savary/AFP)
A pesquisa está na chamada fase 3 do processo de produção. (foto: Thibault Savary/AFP)

 

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) recebeu uma doação de R$ 100 milhões de um conjunto de empresas e entidades para melhorar o controle de qualidade que circunda as pesquisas da vacina contra a COVID-19. A imunização é desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido.

 

De acordo com a Fiocruz, o dinheiro será aplicado na realização dos testes de qualidade do imunizante desde a sua primeira fase de incorporação. A partir dela, a Fiocruz vai receber 100 milhões de doses do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para processamento final (formulação, envase, rotulagem e embalagem), dentro de um acordo de encomenda tecnológica respaldado pelo governo.

 

Essa infraestrutura faz parte do Centro Henrique Penna, do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/Fiocruz). Lá, acontecerá a absorção total da tecnologia para a produção do ingrediente farmacêutico ativo.

 

A doação, de cerca de R$ 100 milhões, foi feita pela coalisão de Ambev, Americanas, Itaú Unibanco (Todos pela Saúde), Stone, Instituto Votorantim, Fundação Lemann, Fundação Brava e a Behring Family Foundation.

 

A Ambev será corresponsável, junto com a Fiocruz, pela gestão e execução do projeto, sob supervisão técnica de Bio-Manguinhos.

 

O escritório Barbosa, Mussnich e Aragão Advogados atuará como consultor jurídico do projeto. Um comitê composto por todas as empresas e fundações será formado para acompanhar as iniciativas.

 

A vacina

 

No fim de junho, o Brasil começou a testar a vacina desenvolvida por Oxford. Conhecida como ChAdOx1 nCoV-19, a pesquisa está na chamada fase 3 do processo de produção.

 

“É a fase de avaliação de eficácia pré-mercado. Essa é a última fase de desenvolvimento. Se o produto for aprovado nesta fase, ele segue para ser aprovado ou não pelas agências reguladoras, no caso do Brasil a Anvisa”, explicou o diretor da Sociedade Mineira de Infectologia, Antônio Toledo Júnior, em entrevista ao Estado de Minas em 14 de julho.

 

O trabalho de Oxford se volta à chamada vacina de vetores virais. A partir do adenovírus de chimpanzé, obtém-se um adenovírus geneticamente modificado, que não pode ser replicado.

 

Esse micro-organismo carrega uma proteína do novo coronavírus, o que incita nosso corpo a produzir anticorpos.

 

É exatamente a mesma estratégia usada nos estudos para criação de uma vacina contra a dengue, pontua o infectologista Antônio Toledo Júnior.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade