Publicidade

Estado de Minas POLÊMICA

Ana Paula do vôlei é acusada de homofobia em São Paulo

Assessor de imprensa disse que comentou uma mensagem racista da ex-jogadora em rede social e ela o atacou por meio de mensagem privada


postado em 24/06/2020 16:15 / atualizado em 24/06/2020 16:37

Ex-jogadora da Seleção Brasileira de Vôlei, Ana Paula mora nos Estados Unidos (foto: Instagram/Reprodução)
Ex-jogadora da Seleção Brasileira de Vôlei, Ana Paula mora nos Estados Unidos (foto: Instagram/Reprodução)

Um assessor de imprensa registrou um Boletim de Ocorrência (B.O.) contra a ex-jogadora de vôlei Ana Paula Henkel, 48 anos, a acusando de homofobia. Alexandre de Alvim, 33 anos, procurou a delegacia no último domingo (21/6), para registrar o ocorrido e o suposto comentário criminoso em uma rede social.

 

O registro na polícia foi confirmado ao Correio pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP). Segundo a pasta, Alvim registrou um B.O. na delegacia eletrônica, “dizendo que havia respondido uma postagem racista da ex-jogadora e que foi respondida com uma mensagem injuriosa e homofóbica”.

Ao jornal Folha de S. Paulo, o assessor enviou um print da mensagem privada que Henkel teria enviado. “A bicha se acha linda. Você é muito brega. P*** que pariu! Hahahahaha se olha no espelho. Você é muito brega bicha.", mostra a imagem divulgada por Alvim.

 

A reportagem não conseguiu contato com Ana Paula. No Twitter, ela comentou indiretamente o caso na manhã desta quarta-feira (24/6). “Trabalhando intensamente no meu curso (política americana, lançamento 4/7!) e no meu livro (Reagan!), mas passei para dizer que além de fascista, transfóbica, homofóbica, nazista, taxista, sambista e eletricista, eu tbm maltrato animais fofinhos e como gatinhos. Vão trabalhar.”, escreveu.

 

Segundo a SSP-SP, o caso será encaminhado para a Delegacia de Atibaia e "a vítima foi orientada quanto ao prazo decadencial de seis meses para representação."

 

Acusação de racismo

No início do mês, em meio a uma das maiores ondas de protestos contra o racismo nos Estados Unidos, Ana Paula Henkel fez uma associação à população negra e estatísticas de crimes no país.

 

A partir de uma série de posts no Twitter, a ex-atleta, que atualmente mora nos Estados Unidos, defendia que a polícia mata mais brancos do que negros no país e negava a existência de um racismo sistêmico. 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade