Publicidade

Estado de Minas

Caso Bernardo: Pai é transferido para a Papuda e defesa pedirá novo laudo

Assassino confesso do próprio filho, de 1 ano e 11 meses, está alocado na Ala de Vulneráveis do presídio


postado em 13/12/2019 18:32 / atualizado em 13/12/2019 19:28

(foto: Reprodução/ Arquivo Pessoal)
(foto: Reprodução/ Arquivo Pessoal)
Paulo Roberto de Caldas Osório, 45 anos, foi transferido para a Ala de Vulneráveis do Complexo Penitenciário da Papuda na tarde de quinta-feira (13/12), conforme informações da defesa do acusado. O servidor público confessou ter matado o filho, Bernardo da Silva Marques Osório, de 1 ano e 11 meses. 
 
A decisão da transferência de Paulo do Departamento de Controle e Custódia de Presos (DCCP) para a Papuda saiu também na tarde de quinta (13/12). A juíza da Vara de Execuções Penais decidiu pela Ala de Vulneráveis, em vez da Ala de Tratamento Psiquiátrico (ATP) — como pedido pela defesa —, após ter acesso ao laudo psiquiátrico do servidor público, realizado por peritos do Instituto de Medicina Legal (IML) da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). 
 
O laudo indicou que Paulo Osório não tem nenhum problema psiquiátrico. Em decisão, a magistrada destacou que o acusado "não apresenta qualquer transtorno mental e, do ponto de vista psiquiátrico-forense, não necessita ser alocado na Ala de Tratamento Psiquiátrico", uma vez que a área "destina-se, preponderantemente, à internação de pessoas submetidas à medida terapêutica de internação, resultante da imposição de medida de segurança."

Para Luciano Macedo, advogado de Paulo, o laudo produzido pelo IML "não foi feito de forma séria". "Falar que um homem que mata a mãe a 27 anos atrás e, depois, tira a vida do próprio filho, não tem nenhum problema psiquiátrico salta aos olhos. Conversei com pelo menos 30 psiquiátras desde a prisão dele e todos me indicaram a mesma coisa, que Paulo tem sinais de psicopatia", argumentou o defensor.
 
Por isso, o advogado afirmou que irá pedir novo laudo psiquiátrico ao decorrer do processo. "Isso não quer dizer que ele ficará impune. Pelo contrário, ele será julgado, mas como a pessoa doente que ele é. Ele ficará em cárcere, por tempo indeterminado, por questões de segurança", pontuou Luciano Macedo. 
 
Na tarde de quinta-feira (13/12), a Polícia Civil encaminhou o inquérito concluído ao Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Em nota, o órgão informou que ainda não recebeu o material para análise do promotor do caso, Leonardo Jubé.  


Publicidade