Publicidade

Estado de Minas

Corpo de recém-nascido dado como incinerado, em Goiás, é encontrado

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde de Aparecida de Goiânia, o bebê estava todo tempo nas dependências da empresa que faz o recolhimento de resíduos biológicos


postado em 28/10/2019 17:05

(foto: Google Street View/Reprodução)
(foto: Google Street View/Reprodução)
A Secretaria Municipal de Saúde de Aparecida de Goiânia (SMS) afirmou, na tarde desta segunda-feira (28/10), que encontrou o corpo do recém-nascido Rogério Cardoso de Almeida Filho. No sábado (26/10), o próprio órgão tinha dito que o bebê havia sido incinerado por engano. 
 
De acordo com a Secretaria, o corpo estava nas dependências da empresa responsável pela coleta de resíduos biológicos. O bebê morreu 12 horas após o parto na Maternidade Marlene Teixeira, em Aparecida de Goiânia, região metropolitana da capital goiana. Quando a família chamou o serviço funerário, o corpo não foi encontrado. 

De acordo com a Secretaria de Saúde, o corpo estava identificado e refrigerado quando foi recolhido pela empresa. "A Secretaria esclarece que aguarda a conclusão das investigações policiais e que vai aplicar todas as sanções cabíveis aos responsáveis. A pasta também implementou sindicância administrativa e estabeleceu um Grupo de Intervenção Hospitalar para fiscalização da maternidade quanto ao cumprimento de todos os protocolos estabelecidos pela secretaria", informou.

A empresa responsável pela coleta de resíduos biológicos disse que "não viola o resíduo hospitalar recolhido de seus clientes, que é armazenado em depósito específico de responsabilidade de cada hospital. A separação e acondicionamento do resíduo hospitalar é feito pela unidade de saúde". 

Confira a nota completa

A Secretaria de Saúde de Aparecida de Goiânia informa que o corpo do recém-nascido Rogério Cardoso de Almeida Filho foi localizado nas dependências da empresa Resíduo Zero e será entregue à família para sepultamento.

A Secretaria esclarece que aguarda as conclusões das investigações policiais e que irá aplicar todas as sanções cabíveis aos responsáveis. A pasta também implementou sindicância administrativa e estabeleceu um Grupo de Intervenção Hospitalar para fiscalização da Maternidade quanto ao cumprimento de todos os protocolos estabelecidos pela Secretaria.

 Conforme explicado anteriormente, o corpo do recém-nascido estava devidamente identificado, acondicionado em refrigeração, quando foi recolhido de forma equivocada pela empresa, que informou erroneamente à Administração da Secretaria que já havia incinerado o material.

A Secretaria lamenta profundamente todo o ocorrido e afirma que está oferecendo assistência aos familiares. 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade