Publicidade

Estado de Minas

Pesquisadores desenvolvem método que agiliza identificação de Alzheimer

Atualmente, gasta-se entre 15 e 20 horas para detectar a doença. Nova tecnologia garante identificação em torno de 15 minutos


postado em 07/05/2019 20:26 / atualizado em 07/05/2019 20:41

Tecnologia foi desenvolvida pelo Instituto de Computação da Unicamp(foto: Divulgação/ Jornal da Unicamp)
Tecnologia foi desenvolvida pelo Instituto de Computação da Unicamp (foto: Divulgação/ Jornal da Unicamp)

Pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) desenvolveram um novo método para identificar se o paciente tem ou não Alzheimer, doença que provoca perda progressiva das funções cognitivas. Enquanto o método convencional utilizado atualmente pode levar de 15 a 20 horas para apontar a presença da doença, com a tecnologia desenvolvida esse número pode ser reduzido para 15 minutos. 

De acordo com a universidade, a nova técnica consiste em analisar a morfologia do cérebro por meio de imagens tridimensionais geradas por ressonância magnética. Com isso, é possível apontar se o paciente tem ou não Alzheimer ou até mesmo se apresenta características que indicam o possível surgimento da doença no futuro. 

No Brasil, a Doença de Alzheimer atinge 1,2 milhão de pessoas, quase duas vezes o número da população de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), a cidade mineira tem 659.070 habitantes.

De acordo com a Unicamp, 100 mil novos casos são registrados no país a cada ano. Por causa das mortes celular e neuronal causadas pela doença, o cérebro perde massas branca e cinza e assume uma configuração diferente da do órgão saudável.

O Alzheimer não tenha cura, mas seus efeitos, como perda de memória, confusão mental e comprometimento do senso de direção, podem ser retardados, desde que o diagnóstico seja feito de forma precoce.

Surgimento do Método

A técnica foi criada no contexto da dissertação de mestrado do cientista da computação Guilherme Adriano Folego, sob orientação do professor Anderson Rocha. 

“Aqui, nós transformamos pixels em informações. Ou seja, processamos e analisamos imagens com o propósito de extrair dados de interesse. Nesse caso, buscamos identificar características morfológicas do cérebro que são compatíveis com as dos órgãos afetados pelo Alzheimer”, explica o docente.

A técnica desenvolvida no IC-Unicamp faz o diagnóstico em três classes diferentes: pessoa saudável, com Alzheimer e em estágio intermediário - aquela que apresenta comprometimento cognitivo leve. 

“O diagnóstico desse estágio intermediário é considerado crítico pela Medicina, porque é muito difícil de ser feito. Sendo possível fazer essa identificação, também é possível dar início a um tratamento precoce que retarde ao máximo as consequências do Alzheimer”, assinala o professor Anderson Rocha.

O professor ressalta que apesar da invenção ter 75% de acerto dos casos, a técnica não substitui o trabalho do neurologista. ““Muito pelo contrário, a presença do médico é indispensável, até porque é ele quem dará a palavra final. Nós desenvolvemos um algoritmo com a função de aprender os padrões das imagens e, assim, fornecer aos profissionais da Medicina informações mais refinadas para a tomada de decisão”, afirma.

(Com informações do Jornal da Unicamp)




Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade