Publicidade

Estado de Minas GERAL

Crítica a papa afeta grupo conservador na CNBB


postado em 22/04/2019 07:39

Entre os dias 1º e 10 de maio, mais de 400 representantes da Igreja Católica, entre eles 304 bispos ativos, vão se reunir em Aparecida (SP) na 57ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) para, entre outras tarefas, escolher os novos ocupantes dos dois cargos mais importantes da entidade, os de presidente e de secretário-geral.

Segundo analistas e religiosos que acompanham as movimentações do episcopado, os recentes atritos de aliados do presidente Jair Bolsonaro com a CNBB e o papa Francisco tendem a enfraquecer os setores mais conservadores da Igreja, que ganharam força antes da posse do novo governo. "Um dos maiores problemas hoje do governo em relação à Igreja é a oposição que aliados de Bolsonaro fazem ao papa", disse o professor Francisco Borba, coordenador de projetos do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP.

Desde o ano passado, Steve Bannon, ex-estrategista de Donald Trump e aliado da família Bolsonaro, tem se aproximado dos maiores adversários de Francisco. O escritor Olavo de Carvalho, guru do presidente, é crítico contumaz do pontífice.

O passivo de atritos inclui ainda blogueiros e influenciadores digitais vinculados à rede bolsonarista que questionam a legitimidade de Francisco e promovem uma espécie de "patrulha ideológica" contra a CNBB e generais palacianos que tratam a Igreja com desconfiança em razão do Sínodo Pan-Amazônico, além da presença maciça de evangélicos no Planalto.

"Alguns bispos carregaram dioceses inteiras para apoiar veladamente a eleição de Bolsonaro. Agora, esses setores serão chamados a tomar consciência", disse o padre José Arnaldo Juliano, assessor do Sínodo Arquidiocesano de São Paulo.

O resultado disso tudo deve ser o esvaziamento da crescente onda conservadora que vinha tomando conta da Igreja e a escolha de moderados para os postos de chefia da CNBB. "Vai haver uma tendência de negar as polarizações. A Igreja sempre se sai bem quando consegue fazer a ponte entra posições antagônicas", disse Borba.

Nomes

A 57ª Assembleia Geral da CNBB terá de escolher um sucessor para o atual presidente, o cardeal Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília. Ele comunicou que não aceita a reeleição. Quatro nomes estão sendo apontados para o cargo: os cardeais d. Odilo Scherer, de São Paulo, d. Orani João Tempesta, do Rio de Janeiro, o arcebispo d. Jaime Spengler, de Porto Alegre, e o arcebispo de Belo Horizonte, d. Walmor Oliveira de Azevedo.

Embora não seja propriamente um conservador, d. Orani tinha apoio desse setor e vinha despontando como um dos favoritos, mas perdeu força depois que o ex-padre Wagner Portugal, um dos homens fortes da Arquidiocese do Rio, confessou ter participado de desvios milionários de verbas da Saúde.

Também será eleito um novo secretário-geral para substituir d. Leonardo Steiner, que não poderá concorrer à reeleição, por ter concluído dois mandatos. Duas indicações surgiram para o cargo, em reuniões preparatórias da assembleia: d. Joaquim Mol Guimarães, auxiliar de Belo Horizonte, e d. Esmeraldo Barreto de Farias, auxiliar de São Luís. D. Mol enfrenta o obstáculo para disputar a eleição. Seu arcebispo, d. Walmor, não quer perdê-lo, porque d. Mol é o reitor da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Minas) e bom administrador.

D. Esmeraldo, ex-bispo de Paulo Afonso (BA), de Santarém (Pará) e arcebispo de Porto Velho (RO), foi transferido para São Luís em 2015. Projetou-se em 2018, por sua organização e capacidade de diálogo, quando foi chamado a substituir, como secretário-geral provisório, o titular do cargo, d. Leonardo Steiner, que havia sofrido um enfarte. "Não comento a lembrança de meu nome", respondeu o bispo, ao ser questionado sobre a eleição na CNBB.

D. Esmeraldo e d. Mol são membros do Conselho Episcopal Pastoral (Consep), órgão executivo ligado à presidência da conferência. A eleição dos novos dirigentes da Igreja para um mandato de quatro anos será uma das questões mais importantes das assembleia, ao lado do tema central, Diretrizes para a Evangelização.

Sínodo

Outra questão a ser levantada para discussão na Assembleia Geral da CNBB será o Sínodo dos Bispos para a Amazônia, que se reunirá em Roma, em outubro, sob a presidência do papa Francisco. O Brasil e mais oito países que integram a Amazônia participarão do encontro. Os debates vão abranger temas como a formação de um clero adaptado à região.

O sínodo se tornou um assunto espinhoso porque o governo brasileiro manifestou a preocupação de que a Igreja Católica interfira em assuntos de competência do Estado e ameace a soberania nacional. O cardeal d. Cláudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo e presidente da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam) e da Comissão Episcopal para a Amazônia, da CNBB, conversou com comandantes militares da região e afirmou que o problema está superado.

Serão debatidas no Sínodo situações de interesse da Igreja e do Estado, como a população indígena, demarcação de terras, mineração e proteção da floresta, cuja discussão pode gerar atritos. "A Igreja está dentro da sociedade, ela e o Estado trabalham com a mesma população e os mesmos problemas", afirmou d. Cláudio.

Silêncio

Observador atento das assembleias da CNBB, embora já aposentado, d. Angélico Sândalo Bernardino, bispo emérito de Blumenau (SC), disse que nunca viu uma pré-eleição tão silenciosa como a deste ano. "Não há polarizações", comentou.

Padre Paulo Suess, que já foi missionário na Amazônia, ressalvou que a Igreja não está parada. Ele lembrou, como exemplo, a nota oficial com críticas às propostas do governo de Jair Bolsonaro para a reforma da Previdência apresentada ao Congresso. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade