Publicidade

Estado de Minas GERAL

'Momento difícil', afirma brigadeiro nomeado como secretário executivo do MEC


postado em 29/03/2019 11:29

Nomeado nesta sexta-feira, 29, pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a secretaria executiva do Ministério da Educação (MEC), o tenente-brigadeiro Ricardo Machado Vieira afirma ser preciso melhorar o diálogo para tentar amenizar a disputa interna que se estabeleceu na pasta.

Chefe de gabinete do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) na gestão de Ricardo Vélez Rodríguez, Machado Vieira reconhece que o MEC enfrenta um momento difícil e assume o posto dizendo ser necessária uma reorganização. Uma de suas missões mais importantes, afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo, será a gestão de pessoas. "Vivemos um momento difícil, quero tomar pé da situação e ver como a gente pode ajudar", disse à reportagem.

O posto de secretário executivo estava vago desde o dia 13 passado, quando Luiz Antonio Tozi foi demitido a pedido do presidente. Com a saída do ex-secretário, Vélez chegou a anunciar dois nomes para o posto, mais tarde desautorizados pelo Planalto.

A dificuldade no preenchimento da vaga expôs ainda mais a fragilidade de Vélez, que, desde que assumiu o MEC, protagonizou medidas polêmicas, é criticado pela falta de conhecimento no setor e pela paralisia da pasta. A situação ficou ainda mais delicada depois do mau desempenho do ministro em audiência na Câmara dos Deputados nesta semana. Bolsonaro tornou público seu descontentamento com Vélez.

Machado Vieira está há 47 anos na Força Aérea Brasileira (FAB), foi secretário de Defesa de Pessoal, Saúde, Desporto e Educação das Forças Armadas e é ligado ao general Villas Bôas e ao ministro do Gabinete de Segurança Institucional general Augusto Heleno.

A nomeação para o posto de número 2 do MEC, porém, não afasta os rumores da saída de Vélez do governo. O ministro foi chamado pelo presidente para uma reunião na manhã desta sexta no Planalto. Uma das possibilidades é de que Machado Vieira fique temporariamente, como uma espécie de "interventor" até a definição de um sucessor para o ministro.

Atualmente, três grupos disputam o poder no MEC. Militares, pessoas ligadas ao escritor Olavo de Carvalho e um grupo ligado ao Centro Educacional Paula Souza, chamado de técnico. A tensão entre os três grupos se intensificou quando Tozi, ainda à frente da secretaria executiva, coordenou a exoneração de "olavistas". Ele próprio foi exonerado em seguida. Ao todo, 15 pessoas foram desligadas do MEC em menos de dois meses.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade