Publicidade

Estado de Minas GERAL

Concentração de CO2 na atmosfera em 2017 foi a maior da história, diz relatório


postado em 01/08/2018 12:59

As emissões dos principais gases de efeito estufa - dióxido de carbono, metano e óxido nitroso - alcançaram novos recordes no ano passado, de acordo com o relatório Estado do Clima 2017, divulgado nesta quarta-feira, dia 1º, pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA) e pela Sociedade Meteorológica Americana.

O documento, produzido por mais de 450 cientistas de 60 países, apresenta os dados detalhados sobre os principais indicadores climáticos de 2017, incluindo emissões de gases de efeito estufa, temperatura, precipitação, nível dos oceanos, alterações na extensão das geleiras e ocorrência de ciclones tropicais.

De acordo com o relatório, a média de concentração de dióxido de carbono na superfície da Terra em 2017 foi de 405 partes por milhão (ppm) - um valor 2 ppm maior que o de 2016 e o mais alto já medido até hoje. Além das medições feitas na atmosfera, o relatório considera as medições feitas a partir de testemunhos de gelo, que registram as concentrações de carbono nos últimos 800 mil anos. Segundo o relatório, o aumento das taxas de CO2 na atmosfera quadruplicou desde o início da década de 1960.

Em relação ao aquecimento global, o relatório mostra que vários países - incluindo Argentina, Uruguai, Espanha e Bulgária, registraram recordes históricos de temperaturas anuais. O México quebrou esses recordes pelo quarto ano consecutivo.

As temperaturas globais na superfície dos continentes e dos oceanos, em 2017, ficaram 0,38 ou 0,48 grau Celsius - dependendo do conjunto de dados utilizado - acima da média registrada entre 1981 e 2010. Com isso, 2017 foi o segundo ou terceiro ano mais quente desde que os registros tiveram início, na segunda metade do século 19.

Segundo o relatório, todos os quatro anos mais quentes já registrados ocorreram a partir de 2014. O ano mais quente da história foi 2016, seguido de 2015. Considerando apenas os anos sem El Niño, 2017 foi ano mais quente já registrado.

A temperatura média anual na baixa troposfera - a parte da atmosfera abaixo de 10 quilômetros de altitude - em 2017 foi 0,38 ou 0,58 grau Celsius acima da média registrada entre 1981 e 2010, dependendo do conjunto de dados analisado. Esse número representa uma queda de mais de 0,1 grau Celsius em comparação à temperatura recorde registrada em 2016.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade