Publicidade

Estado de Minas

Município paulista confirma sétima morte por febre maculosa


postado em 27/06/2018 18:36

A prefeitura de Americana, no interior de São Paulo, confirmou nesta quarta-feira, 27, a sétima morte pelo surto de febre maculosa que atinge o município. A vítima, um homem de 37 anos, residia no bairro Antônio Zanaga, uma região de represas, na zona leste da cidade.

Familiares relataram que ele esteve nas margens do Rio Atibaia, onde vivem capivaras, principal hospedeiro do carrapato-estrela, que transmite a doença. Este mês, a prefeitura havia confirmado a febre maculosa como causa da morte de uma menina de 7 anos, moradora do mesmo bairro.

As outras cinco mortes aconteceram em maio e todas as vítimas moravam nessa mesma região. O município ainda investiga se a febre causou a morte de outras duas pessoas, entre elas, uma criança de dois anos. A prefeitura interditou 15 áreas onde foi detectada a presença do carrapato-estrela, incluindo pontos turísticos da cidade, como a Praia dos Namorados, Praia Azul, Prainha do Zanaga e pesqueiros do Rio Piracicaba. Placas instaladas nesses locais advertem as pessoas para que não entrem nas áreas, por causa do risco de pegar a doença.

Em Pedreira, na mesma região, foram confirmadas duas mortes por febre maculosa. As vítimas são uma mulher de 60 anos e um adolescente de 17 anos. Ambas teriam sido infectadas ao frequentarem um lago em propriedade particular, no Jardim Andrade. A prefeitura instalou placas no acesso e nas margens do Rio Jaguari, alertando para o risco.

A febre maculosa é uma doença infecciosa febril aguda, causada pela bactéria Rickettsia ricketsii, transmitida ao homem pela picada de carrapatos, principalmente o estrela. Não há transmissão direta entre humanos. Em 93% dos casos, o paciente necessita de hospitalização e, em 64%, a doença evolui para óbito, segundo estudo da Secretaria da Saúde do Estado. No ano passado, foram notificados 14 casos e 9 óbitos pela doença no Estado. Em 2016, tinham sido 64 casos e 37 mortes.

(José Maria Tomazela)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade