Publicidade

Estado de Minas

Na área de saúde, mais de 248 mil procedimentos deixam de ser feitos na greve


postado em 31/05/2018 08:18

São Paulo, 31 - Mais de 248 mil procedimentos não realizados na rede municipal de saúde de São Paulo, 30% das cirurgias eletivas de hospitais privados e filantrópicos do Estado adiadas e 20% das indústrias de equipamentos médicos paradas. Estas foram algumas das consequências dos dez dias de paralisação dos caminhoneiros na área da saúde.

Sem receber medicamentos e materiais, a maioria dos hospitais e centros médicos paulistas preferiu adiar ou cancelar procedimentos não urgentes. A decisão prejudicou pacientes como a arquiteta Vânia Sousa Giminiani, de 49 anos, que tinha uma cirurgia na coluna marcada para terça-feira no Hospital Samaritano. No dia anterior ao procedimento, ela foi avisada do cancelamento.

"Já tinha marcado a cirurgia nas vésperas do feriado para ter esse período para me recuperar. Minha mãe ia ajudar no cuidado dos meus filhos. O cancelamento complicou toda a minha programação", conta ela, que sofre de cefaleia da cervical, problema que provoca dores intensas no pescoço e na cabeça. A cirurgia foi remarcada para o dia 8 de junho.

A analista de recursos humanos Simone Godoy, de 44 anos, esperava havia três meses pela cirurgia de implante de prótese de silicone nas mamas. Adiantou o trabalho, pediu uma semana de folga para se recuperar e já estava em jejum, quando o hospital ligou na sexta-feira, avisando que o procedimento não seria feito. "Chorei muito e cheguei até a me questionar se era mesmo para eu fazer a cirurgia", conta. Segundo ela, o Hospital Cruz Azul avisou que não haveria medicamentos nem alimentação para pacientes de procedimentos eletivos, apenas para casos de emergência.

A previsão agora, ainda não confirmada, é de que a operação ocorra no fim de semana. Ela diz ser a favor da manifestação, mas "perdeu toda a esperança nesse Brasil". Desde sexta-feira, não sai do condomínio onde mora, na Serra da Cantareira, zona norte, porque o carro não tem gasolina.

Já o médico Leandro Barreto, de 37 anos, ficou realmente sem o carro. Ele teve de ir para a Praia Grande, no litoral paulista, na segunda-feira, para atender pacientes. Trata-se de um trabalho voluntário na periferia da cidade e não havia como entrar em contato com os pacientes para desmarcar. Mas o veículo de Barreto tinha apenas um quarto do tanque de gasolina.

Ele então pegou a estrada, fez os atendimentos e não quis arriscar voltar com o carro. Deixou o veículo no litoral e pegou um ônibus. "Sabia que o tanque não ia dar e até me planejei para deixar lá. Vou tentar buscar no fim de semana."

Em algumas unidades de saúde, a falta de gasolina impediu que os doentes chegassem aos centros. Segundo a Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (Fehoesp), 50% a 60% dos atendimentos deixaram de ser realizados por ausência dos próprios pacientes. As informações são do jornal

O Estado de S. Paulo.

(Fabiana Cambricoli e Renata Cafardo)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade