Publicidade

Estado de Minas

Motociclista tenta furar bloqueio Militar e morre baleado por soldado no Rio


postado em 13/05/2018 10:18

Rio, 13 - Um motociclista foi morto por um soldado na noite deste sábado, 12, ao tentar furar um bloqueio do Exército, na Vila Militar, zona oeste do Rio de Janeiro, próximo à via Transolímpica. Segundo o Comando Militar do Leste (CML), o homem acelerou sua moto na ordem de parada dos militares, instalados em um Posto de Bloqueio e Controle em Vias Urbanas (PBCVU), e acabou sendo atingido, frontalmente, por tiros de um dos oficiais.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o caso ocorreu às 20h05 deste sábado. Diego Augusto Ferreira tinha 25 anos e veio a óbito no local, na Rua Salustiano Silva. Segundo informações preliminares de investigação obtidas pelo Estado, ele tinha algumas passagens pela polícia e a moto teria sido roubada.

"O procedimento está dentro das nossas regras de engajamento. O rapaz jogou a moto em cima do soldado, que se defendeu", diz o coronel e porta-voz do CML, Carlos Cinelli. "Todas as circunstâncias serão apuradas no inquérito", complementa.

Ainda segundo o coronel, o bloqueio teria no mínimo dois soldados acompanhados por um sargento. Um deles estava à frente e desviou da moto. O segundo foi o autor dos disparos que levaram o motociclista à morte. Os soldados que estavam no bloqueio já foram ouvidos em uma oitiva preliminar.

A tendência é que o caso seja julgado pela Justiça Militar após lei sancionada pelo presidente Michel Temer, em outubro do ano passado, que alterou o Código Penal Militar. A legislação atual prevê que o julgamento de crimes dolosos praticados por militares contra civis, durante exercício da profissão, vá para o júri especializado.

Intervenção

A segurança pública do Rio de Janeiro está sob comando das Forças Armadas desde 16 de fevereiro deste ano, quando o presidente Michel Temer assinou o decreto de intervenção federal.

Em paralelo a isso, ainda está em vigência a Garantia da Lei e da Ordem (GLO), medida estabelecida pelo Governo Federal, em maio de 2017, para conferir ao Exército os poderes de atuar na segurança pública do Rio de Janeiro.

(Leonardo Pinto, especial para o Estado)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade